fbpx
The Riders Histories
Notícias

Eleek Atom Military, a agressiva motocicleta elétrica do exército ucraniano

No conflito ucraniano, a motocicleta elétrica está provando ser uma arma eficaz, silenciosa e rápida, como a Eleek Atom Military.

Não vamos descobrir que a motocicleta sempre foi um dos elementos-chave no campo de batalha desde a Primeira Guerra Mundial, situação que se repete no atual conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Há algum tempo falamos sobre motocicletas elétricas militares, neste caso russas.

O exército ucraniano utiliza com sucesso dois modelos de motocicletas elétricas fabricadas em seu país para realizar táticas de guerrilha contra unidades blindadas móveis russas. São modelos de motocicletas elétricas off-road utilizadas  tanto para transporte rápido de tropas quanto para atacar pontos-chave do inimigo.

Equipadas com assentos individuais, algumas unidades carregam um lançador de mísseis portátil. Com eles, os soldados movem-se furtivamente pelas florestas até encontrarem o seu objetivo, os tanques russos.

Essas duas motocicletas são a Eleek Atom Military  e a Delfast Top 3.0 , ambas adaptadas à sua finalidade militar, por serem motocicletas elétricas padrão que podem ser adquiridas nos sites dessas marcas.

A motocicleta elétrica militar já mostrou seu valor no campo de batalha

São motocicletas semelhantes -embora a Eleek seja uma motocicleta com letras maiúsculas-, com chassi em chapa de aço estampada com bateria integrada , motor elétrico localizado no cubo da roda traseira e rodas raiadas de 19 e 18″ com freios a disco em ambos os eixos, e equipamento mínimo.

O garfo e o monoamortecedor têm deslocamento generoso e contam com equipamento básico de iluminação, se não cancelado, para serem furtivos. Os componentes vêm do mundo do mountain bike.

O curioso é que a Delfast tem pedais e corrente , então podemos dizer que ela fica entre uma motocicleta e uma bicicleta elétrica.

O Eleek Atom Military parece bestial…

Mas o mais potente e o melhor é, sem dúvida, o Eleek Atom Military, que possui motor de potência de pico de 4.500 Wh, alimentado por bateria de 3,8 kWh. Embora se trate de um modelo de série que, certamente, terá sido retocado na sua versão militar com bateria de maior capacidade e motor mais potente. Seu peso total é de 60 kg.

Possui rodas raiadas de 17″, motor no cubo da roda traseira com frenagem regenerativa, discos de freio de 190 mm e suspensões de curso mais longo, com chassi auxiliar reforçado e assento ajustável de 900 mm.

Possui ainda instrumentação com tela OLED, dois modos de energia e reverso, além de uma entrada USB tipo A e outra tipo C.

Possui plugue de 220V na lateral direita, para conectar ou recarregar aparelhos que operem nesta tensão.

E como complemento, possui um plugue de 220V na lateral direita para carregar ou operar dispositivos que operem nesta tensão, função chamada V2L, Veículo para Carregar.

Já existem muitos exércitos que estão se equipando com motocicletas elétricas militares

Não podemos garantir a sua autonomia pois depende das baterias instaladas, seguramente de maior capacidade que as normais. Além disso, dirigir fora de estrada requer mais energia do que dirigir na cidade, mas presumimos que eles possam pedalar por pelo menos duas horas.

Para o Eleek são declarados 200 km de autonomia , 70 km/h de velocidade máxima e um tempo de recarga de 3 horas para atingir 80% , números que são realmente muito otimistas em nossa experiência.

Aparentemente, no conflito ucraniano, já existem alguns países que já consideraram aumentar o investimento em motocicletas elétricas militares para a movimentação rápida e furtiva de tropas e, com razão, a mobilidade elétrica tem muitas vantagens.

Inscreva-se em nosso Canal no YouTube: The Riders e conheça histórias incríveis do mundo biker!

fonte:https://solomoto.es/eleek-atom-military/?dicbo=v2-3JJNf7E

Notícias relacionadas

CSC RX1E: Nova elétrica chinesa chega à California

Marcelo Nunes

Honda PCX ABS: Preço e Simulação de Financiamento

Marcelo Nunes

A italian Volt vai apresentar a moto eléctrica Lacama 2.0 no EICMA de 2023

Marcelo Nunes

Deixe um comentário