The Riders Histories
Mundo SpeedRiders-Speed

MOTOGP 2024, O QUE DISSERAM OS TRÊS PRIMEIROS DA CORRIDA

MOTOGP

MOTOGP Jorge Martín (Pramac) venceu a corrida do Grande Prémio de França de MotoGP, batendo Marc Márquez (Gresini) e Francesco Bagnaia (Ducati). Aqui ficam as declarações dos três primeiros classificados.

“Não há muito que eu possa dizer. Tinha muitas dúvidas antes da corrida, mas demonstrei que fui o melhor hoje. Obrigado à equipa, repararam a moto depois das quedas, foi tudo perfeito. Foi o fim de semana perfeito”, disse Martín.

“Foi uma grande recuperação. Começando em 13.º, hoje tive um bom arranque, mas não como ontem.

Foi preciso tempo para ultrapassar os outros pilotos, especialmente no início, com novos pneus, a aceleração era muito semelhante.

Fui gerindo bem a situação, mas o mais impressionante é que, quando estava sozinho, o ritmo estava lá, estava a apanhar os da frente.

Tentei ultrapassar o Pecco durante cinco voltas, mas ele estava a travar muito tarde. Tentei na última volta, vocês já me conhecem. Foi uma boa manobra, consegui manter a linha e defendi bem no último setor. Tivemos dificuldades na sexta-feira, percebemos porquê e hoje fomos rápidos”, referiu Márquez.

“Tentei tudo, tentei gerir no início, mas eles os dois tinham mais nas últimas voltas. Feliz por terminar a corrida e o resultado é bom. Vamos seguir em frente, tenho a certeza de que podemos ser melhores no futuro”, declarou Bagnaia.

MOTOGP, MARC MÁRQUEZ (2.º): “TENTEI NA ÚLTIMA VOLTA, VOCÊS JÁ ME CONHECEM”

MOTOGP 2024, O QUE DISSERAM OS TRÊS PRIMEIROS DA CORRIDA

Marc Márquez voltou a efetuar uma grande recuperação em Le Mans, repetindo o segundo lugar de ontem depois de voltar a sair de 13.º. O espanhol voltou a arrancar bem e a ter bom ritmo, destacando-se a ultrapassagem a Pecco Bagnaia na última volta.

“Foi uma grande recuperação. Começando em 13.º, hoje tive um bom arranque, mas não como ontem. Foi preciso tempo para ultrapassar os outros pilotos, especialmente no início, com novos pneus, a aceleração era muito semelhante.

Fui gerindo bem a situação, mas o mais impressionante é que, quando estava sozinho, o ritmo estava lá, estava a apanhar os da frente. Tentei ultrapassar o Pecco durante cinco voltas, mas ele estava a travar muito tarde. Tentei na última volta, vocês já me conhecem.

Foi uma boa manobra, consegui manter a linha e defendi bem no último setor. Tivemos dificuldades na sexta-feira, percebemos porquê e hoje fomos rápidos”, disse.

MOTOGP, JORGE MARTÍN (1.º): “SE A DUCATI NÃO ME QUISER, OFEREÇO O MEU TALENTO A OUTRAS PESSOAS”

Jorge Martín considera que este fim de semana em Le Mans foi um dos melhores da sua carreira no MotoGP até agora.

O espanhol luta por um lugar na equipa de fábrica da Ducati em 2025, mas sente que estes resultados não vão mudar nada, considerando que já fez o que tinha a fazer.

“Um dos melhores fins de semana da minha carreira até agora, parecido com Misano na época passada. Hoje foi muito bom ganhar, bater o Marc Márquez e o Pecco Bagnaia é incrível.

Não fiz o melhor arranque, mas estar em segundo era perfeito hoje. O Pecco tinha o peso da corrida, eu estava a segui-lo e ele era uma boa referência. A sete voltas do fim, vi que era o meu momento, ele estava com dificuldade em algumas curvas.

Foi difícil fazer a manobra, saí largo da primeira vez, mas saiu perfeito da segunda vez. Depois tentei ganhar distância para ele não ter hipótese de tentar no fim, mas saí largo a três voltas do fim e voltei a ser apanhado. Estava nervoso e cansado, mas dei tudo o que tinha na última volta e ganhar aqui em Le Mans foi especial.

Todos os pilotos têm dúvidas antes de começarem uma corrida. Sei que sou forte, mas às vezes tenho demasiadas dúvidas. Não tenho nada a demonstrar, acho que as coisas que acontecerem nas próximas corridas não vão mudar o meu futuro.

Mesmo que eu ganhe ou mesmo que eu caia, já fiz o que tinha a fazer e estou feliz com a minha performance”, disse.

“É importante, talvez esteja mais claro, mas acho que não vai mudar. Sou o mesmo piloto que era ontem e quinta-feira. Eu acho que eles já escolheram e o que for vai ser bom.

Quero ir para a equipa de fábrica da Ducati, mas, se não me quiserem, por qualquer motivo que eu desconheço, ofereço o meu talento a outras pessoas. Estou mais forte do que na época passada e sou melhor piloto a cada ano. Não sei qual é o limite, mas vamos ver com o tempo. Estou a melhorar as minhas capacidades, não só dentro de pista, mas também fora”, referiu.

MOTOGP, MARC MÁRQUEZ (2.º): “HOJE COZINHÁMOS O PÓDIO LENTAMENTE”

Marc Márquez conseguiu recuperar do 13.º para o segundo lugar em dois dias consecutivos em Le Mans, com o espanhol da Gresini satisfeito com o seu ritmo em ambos os dias, explicando a sua luta de hoje com Pecco Bagnaia na última volta.

Leia também:

“Hoje não esperava, mais uma vez. Ontem foi um arranque surreal, mas hoje cozinhámos o pódio lentamente. Fomos ultrapassando, sabia que a corrida era muito longa.

O top-5 era o objetivo na minha cabeça, mas vi que o ritmo estava lá. Perdi tempo com o Di Giannantonio e pensei que o terceiro lugar era bom, mas vi que tinha ritmo e comecei a atacar.

Quando cheguei à frente, esperava que o Pecco atacasse o Martín, mas não foi assim e por isso ataquei o Pecco. A luta com o Di Giannantonio foi estranha, às vezes tens de perceber em que parte da corrida é que estás.

Perdemos um segundo e meio com aquele contacto, eu já tinha a posição. Mas esqueci isso, continuei e tivemos um grande ritmo. Pensei que ia ter mais oportunidades, mas o segundo lugar foi mais do que bom”, disse.

“Quando cheguei à frente, estava completamente exausto, tinha estado a puxar a corrida toda. Depois tentei atacar, mas não me estava a sentir muito bem com a moto e vi que o Pecco tinha boa aceleração.

Foi difícil encontrar o ponto para ultrapassar, ele estava a defender bem na curva 3. Na última volta, vi que o Pecco não estava a atacar o Martín, saí bem da curva 8, tentei na curva 9 e consegui.

Estou a desfrutar, a atmosfera dentro da box é relaxada. Para lutar pelo campeonato, tens de estar no nível do Martín e do Pecco, eles estão sempre nos primeiros lugares.

Este fim de semana, aprendemos algo na sexta-feira à tarde. Ainda nos falta algo para lutar pelo campeonato, mas é bom lutar com os dois pilotos de topo dentro da Ducati”, referiu.

MOTOGP, JORGE MARTÍN (1.º): “DEMONSTREI QUE FUI O MELHOR HOJE”

Jorge Martin, MotoGP race, French MotoGP, 12 May 2024 // Gold & Goose / Red Bull Content Pool // SI202405120616 // Usage for editorial use only //

Jorge Martín alcançou o fim de semana perfeito em Le Mans, com pole position, vitória na sprint e vitória na corrida principal, levando a melhor sobre Marc Márquez e Pecco Bagnaia.

“Não há muito que eu possa dizer. Tinha muitas dúvidas antes da corrida, mas demonstrei que fui o melhor hoje. Obrigado à equipa, repararam a moto depois das quedas, foi tudo perfeito. Foi o fim de semana perfeito”, disse.

MOTOGP, FRANCESCO BAGNAIA (3.º): “TENTEI TUDO, MAS ELES TINHAM MAIS”

Francesco Bagnaia acabou o Grande Prémio de França no terceiro lugar, perdendo para Jorge Martín e para um Marc Márquez que o surpreendeu na última volta.

“Tentei tudo, tentei gerir no início, mas eles os dois tinham mais nas últimas voltas. Feliz por terminar a corrida e o resultado é bom. Vamos seguir em frente, tenho a certeza de que podemos ser melhores no futuro”, disse.

Continue navegando no portal The Riders e acelere com a gente!

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades! 

Notícias relacionadas

Kawasaki: extensão de garantia de quatro anos anunciada em modelos registrados

Marcelo Nunes

Álex Márquez se vê pronto para MotoGP

Marcelo Nunes

Michael Dunlop: Um Múltiplo Vencedor do TT com 23 vitórias

Marcelo Nunes

Deixe um comentário