fbpx
The Riders Histories
Notícias

Testar e melhorar o atrito na estrada é crucial para a segurança

A aderência é essencial para motociclos devido às suas duas rodas; perder aderência pode levar a quedas graves. As medições de resistência à derrapagem pelas autoridades rodoviárias devem atender às necessidades dos motociclistas, mas atualmente não o fazem.

Dolf Willigers, da FEMA (Federação Europeia de Associações Motociclistas), e Maria Nordqvist, da SMC, escreveram um relatório técnico que inclui recomendações claras às autoridades rodoviárias sobre como testar e melhorar o atrito nas estradas.

Força de atrito

A força de atrito, ou resistência à derrapagem, é importante para evitar que as rodas de um veículo percam aderência à superfície da estrada, o que aumenta o risco de acidente. O atrito é crucial para a segurança de todos os utentes da estrada. A resistência à derrapagem está relacionada a muitos fatores e é conhecida por ser uma função dos materiais de construção do pavimento, da rugosidade do pavimento e das condições da superfície. O atrito é determinado pela adesão (criada por ligação intermolecular ou aderência ao nível da superfície) e aderência por histerese.

Para as motos isto é ainda mais importante do que para os veículos de quatro rodas, porque a perda de aderência pode levar à perda de equilíbrio e quedas. As formas atuais de medir o atrito são desenvolvidas para automóveis e não consideram que os motociclistas utilizam toda a pista e tentam ficar fora dos sulcos causados ​​pelas rodas dos carros e camiões. Além disso, nos métodos e protocolos de medição atuais, bem como no acompanhamento, não se considera que uma pequena mancha escorregadia seja suficiente para causar perda de equilíbrio de uma moto.

Os motociclistas devem estar cientes das condições perigosas da superfície, saber como detectá-las e andar a uma velocidade adequada. Isto significa que são obrigados a manter a capacidade de parar antecipadamente ou desviar em áreas de baixo atrito a qualquer momento. No entanto, a baixa fricção nem sempre pode ser detectada de forma visual. Não há possibilidade de uma estimativa correta do coeficiente de atrito de uma estrada molhada apenas com os olhos. Por baixo das marcações rodoviárias modernas de alta fricção, o material antigo pode reaparecer subitamente devido ao desgaste. Mesmo a superfície “normal” da estrada pode ter um atrito muito menor do que a impressão visual sugere. Assim, é inapropriado culpar sempre um condutor por uma queda.

Estrada Nacional 120 Grândola – Alcácer do Sal

A perda de aderência pode ocorrer quando uma superfície de estrada perdeu parte do seu atrito devido ao desgaste, devido ao clima (água, neve, gelo) e devido a sangramento do asfalto, reparações mal executadas, tampas de esgoto, marcações na estrada, cascalho, derramamento e similares. Descobriu-se que a derrapagem descontrolada devido ao atrito inadequado da superfície e a má visibilidade devido a respingos e borrifos são as duas principais causas de acidentes em tempo chuvoso, com a derrapagem por si só contribuindo para 15% a 35% de todos os acidentes em tempo chuvoso.

O relatório MAIDS mostra que 29,7% dos acidentes com veículos de duas rodas acontecem devido a deslizamentos. O relatório Riderscan descobriu que 88,5% dos motociclistas entrevistados viam a manutenção das estradas como o principal problema de infraestrutura para deslizamento e 79,6% viam a superfície da estrada como um problema de infraestrutura.

O Guia NCHRP para Fricção de Pavimento menciona várias fontes que indicam uma relação direta entre fricções na superfície da estrada e acidentes. Um deles é um relatório de pesquisa da Wallman e Åstrom. Nesta pesquisa, uma avaliação abrangente das medições de atrito e das taxas 

No entanto, o reconhecimento da questão não é universal. Noutras publicações, por exemplo, o Relatório de Segurança Rodoviária de Motociclos DEKRA de 2018, a questão do atrito e da superfície da estrada é ignorada.

Coeficiente de atrito – COF

O Coeficiente de Atrito (COF) é a relação entre a força necessária para mover as superfícies umas contra as outras e a pressão para permanecer em contato durante o movimento. Define o pavimento escorregadio da superfície da estrada.

No contexto das motos, é a relação entre a força necessária para fazer o pneu escorregar na estrada e a resistência à derrapagem da superfície da estrada. Quanto maior o coeficiente de atrito, mais força é necessária para fazer o pneu escorregar. O valor do coeficiente de atrito depende da micro e macroestrutura da superfície da estrada e da qualidade do pneu. (Veja Figura 2).

O COF é uma medida empírica, resultado de experimentações práticas e comparações, e não de cálculos teóricos. Tanto quanto podemos constatar, atualmente não existe uma escala padronizada para o atrito na estrada. Em geral, pode-se dizer que estradas de asfalto e concreto em estado seco têm um COF de 0,7 a 0,8 e com superfície molhada de 0,4 a 0,5. Com neve o COF cai para 0,2 a 0,3 e estradas geladas têm um COF de 0,1 a 0,3. 0,212. A World Road Association indica que a diminuição do coeficiente de atrito na estrada abaixo de 0,45 aumentará o risco de acidentes em 20 vezes; quando fica abaixo de 0,30 o risco é 300 vezes maior. Existem vários métodos para medir o atrito.

Conclusões

Os motociclistas utilizam toda a largura da estrada, dependendo das circunstâncias. Os dispositivos comumente utilizados medem a resistência à derrapagem na parte da estrada onde normalmente estão as rodas direitas (ou esquerdas em países onde o tráfego se mantém à esquerda) dos veículos que circulam na faixa mais externa da estrada, caso haja mais de uma faixa em cada sentido. Este local foi escolhido porque ali o desgaste é mais forte, mas não é aqui que andam as motos. Assim, é importante medir toda a estrada. Também é importante medir e reportar todo o troço da estrada em vez de uma média de 20 metros, uma vez que um troço minúsculo com baixo atrito pode causar acidentes graves. O problema com os métodos de medição acima descritos é que apenas uma parte da estrada é medida e não necessariamente a parte que é utilizada por motos.

Há necessidade de métodos novos e melhorados para medir a resistência à derrapagem da superfície da estrada. Parcialmente, e no futuro talvez inteiramente, isto poderia ser resolvido através da utilização de técnicas de câmara e lidar (varredura 3-D), já utilizadas em pequena escala em vários países. Os perfiladores a laser atuais podem medir com resoluções menores que 0,1 mm.

Fonte: FEMA

Notícias relacionadas

TRIUMPH ANUNCIA PARCERIA COM AKRAPOVIC PARA MOTOS DE AVENTURA NAKED

Marcelo Nunes

Lançamentos Suzuki 2024: Novidades e Detalhes

Marcelo Nunes

Avelloz AZ1 2024 – Preço, Ficha Técnica e Fotos

Marcelo Nunes

Deixe um comentário