fbpx
The Riders Histories
Clássicas

Uma lenda rara e ainda cobiçada Honda CBX 1050

CBX 1050 – ou CBX 1.000, como foi chamada em alguns países – nasceu em 1978 como linha 1979. A ideia da Honda era fazer a mais rápida e veloz moto de produção seriada do mundo. Para isso, não economizou nos cilindros: com o engenheiro Soichiro Irimajiri à frente, a marca criou um motor com seis em linha – e assim surgia a primeira moto do mundo com essa configuração de motor.

A CBX 1050 veio da mesma família que, anos antes, teve as famosas “CB Four” (350360400550750…). Mas, com dois cilindros e mais, ganhou o “X” no nome.

Cada cilindro tinha 64,5 mm de diâmetro e 53,4 mm de curso. Com taxa de compressão de 9,3:1, rendia 105 cv de potência a 9.500 rpm e torque de 8,6 kgf.m a 8.000 rpm – números que hoje podem não parecer grande coisa, mas naquela época eram impressionantes e levavam a moto de 275 quilos em ordem de marcha à então incrível velocidade máxima de 215 km/h (algumas publicações apontavam 220 km/h).

Tão encantador quanto o motor, em si, era o ronco que ele produzia: encorpado e grave em baixos giros, porém mais agudo e histérico em alta, podia ser comparado ao emitido pelos carros de Fórmula Um da época (que tinham motor com 12 cilindros!).

O seis-em-linha da CBX 1050 tinha comando de válvulas duplo no cabeçote (DOHC) e 24 válvulas. Em funcionamento, era uma espécie de concerto de orquestra sinfônica. Mas quando perdia a regulagem, era um sofrimento: imagine equalizar seis carburadores Keihin de 28 mm – com suas boiasestiletesgiclês etc…

No projeto, inédito, peças periféricas, como alternador e ignição, foram posicionadas atrás da fileira de cilindros, o que melhorava muito a concentração de pesos e massas. De resto, a moto era relativamente tradicional. Tinha suspensões dianteiras com garfos telescópicos, traseira bichoque, freios com discos sólidos (dois na frente e um atrás) e guidom baixo. Mas o chassi tubular em aço já era do tipo diamante, integrava o motor à estrutura e eliminava as barras inferiores do tipo berço duplo.

O design era típico da época, com todo seu charme e “quadradice“. Farolzão redondo, piscas idem com lentes alaranjadas, lanterna retangular grande e banco “bolo de noiva“. E o painel era outra coisa linda: dois relógios analógicos de mesmo tamanho, lado a lado – velocímetro/hodômetros e conta-giros -, um terceiro reloginho menor logo abaixo, com o voltímetro, e as luzes-espia espalhadas em seu entorno, com pequenas lentes coloridas.

Notícias relacionadas

Honda CB750 Four de 1999: o retrô que nunca existiu

Marcelo Nunes

Honda XLX 350R: A Moto Trail que Conquistou Gerações!

Marcelo Nunes

As 10 motos mais icônicas da história do motociclismo – Confira o antes e depois!

Marcelo Nunes

Deixe um comentário