fbpx
The Riders Histories
Histórias

Münch Mammoth: A primeira superbike da Alemanha cara e rara

Münch Mammoth

Conheça a história da Münch Mammoth, a primeira superbike da Alemanha apresentava um motor de carro de quatro cilindros, era cara, rara e à frente do seu tempo.

RESUMO

  • A primeira superbike da Alemanha, a Münch Mammoth, tinha o motor de motocicleta mais potente de sua época e podia atingir velocidades de até 190 km/h em marcha máxima.
  • O Mammoth apresentava inovações no chassi, como freio dianteiro de magnésio e corrente de transmissão selada, mas tinha a reputação de mastigar pneus traseiros rapidamente.
  • Mais de 500 motocicletas Mammoth foram produzidas, grande parte delas importadas para o mercado norte-americano, e um projeto especial chamado Titan foi construído na década de 1980 com motor superalimentado de 1.800 cc.

Explorando a Diversidade das Superbikes Alemãs ao Longo do Tempo

Atualmente, todos estão familiarizados com a única superbike da Alemanha, o BMW S1000RR. No entanto, ao longo das décadas, diversos fabricantes alemães emergiram com produtos que se destacaram em termos de velocidade e desempenho.

Por exemplo, a Maico destaca-se atualmente com a maior e mais desafiadora máquina de enduro do mundo, enquanto a Kalex estabeleceu sua posição como a força dominante na Moto2 por um período considerável.

Nomes como DKW, NSU, Kreidler e Zundapp evocam reconhecimento entre aqueles com mais idade. Não obstante, a primeira superbike alemã surgiu pelas mãos da Münch, batizada de Mammut, cujo nome, significando “mamute” em alemão, sugere a imponência do motor que a impulsiona.

Essa diversidade de fabricantes e modelos revela a rica história e a evolução do cenário de motocicletas de alto desempenho na Alemanha.

A História do Mamute

Münch Mammoth

A Jornada Intrigante: Dos Ajustes de Freidl Münch à Emergência do Mammoth

Freidl Münch, um entusiasta que se dedicava à modificação de motocicletas na década de 1940, é o ponto de origem do Mammoth.

Ele próprio era piloto, e quando um grande acidente interrompeu sua carreira, passou a ajustar motocicletas para outros pilotos. Inicialmente, realizava modificações em produtos de marcas como Horex e, posteriormente, formalizou seu trabalho oficial com essas marcas.

O sonho se materializando.

Primeiramente, a trajetória de Münch assumiu uma importância crucial quando Jean Murit, um motociclista francês com o sonho de criar a motocicleta de produção mais potente do mundo, entrou em contato.

Entretanto, esse marco significativo ocorreu no final da década de 1950, em um período de instabilidade econômica na Alemanha, onde várias grandes empresas de motocicletas encerravam suas atividades.

Em primeiro lugar, o objetivo delineado transcendeu a simples busca por ter a motocicleta mais potente. A ambição incluía a busca pela excelência na engenharia e no artesanato, visando tornar a motocicleta digna do título de melhor do mundo.

Contudo, dessa maneira, teve início a cativante história da primeira superbike da Alemanha, marcando um capítulo distintivo no cenário das motocicletas de alto desempenho.

Um motor gigantesco

Na década de 1950, as motocicletas mais rápidas do mundo eram todas gêmeas paralelas. 

Geralmente, as motocicletas de corrida britânicas dominavam a cena (nos EUA, tínhamos uma predileção por nossos V Twins, que não eram tão centrados em potência ou velocidade).

Portanto, a escolha de um motor de quatro cilindros é bastante surpreendente. Friedl Münch fez uma escolha notável ao optar por um motor já existente, em vez de construir um do zero, visando economizar custos.

Ele escolheu um motor quatro em linha refrigerado a ar da NSU, retirado de um de seus carros compactos, o 1000TT, para impulsionar o primeiro Mammoth. Essa decisão destacou-se como uma abordagem pragmática e eficiente na busca por um desempenho excepcional.

Os destaques do mamute

  • Motor de motocicleta mais potente da época
  • Poderia atingir 20-120 MPH em marcha máxima facilmente
  • Continuei mastigando os pneus traseiros

A montadora concordou em fornecer seus motores para a motocicleta, desenvolvendo 55 cavalos de potência a partir de seus quatro cilindros em linha de 996 cc. Além disso, oferecia a opção de escolha entre um, dois ou quatro carburadores.

No entanto, levaria mais alguns anos até que a Honda CB750 Super Four fosse lançada em 1967 e o termo ‘superbike’ fosse oficialmente cunhado. Não é coincidência que a maior empresa de motocicletas do mundo tenha decidido seguir os passos de Freidl Münch, adotando um motor transversal de quatro cilindros em linha refrigerado a ar como sua escolha.

Tipo de motorRefrigerado a ar, 4 tempos em linha-quatro
Deslocamento996 cc
Poder maximo55 CV
Velocidade máxima115 mph

Inovações no chassi

Materiais leves foram usados ​​no mamute nos anos 60

Refazendo Limites: O Chassi Adaptado e Inovações Notáveis no Mammoth

O chassi do Mammoth demandava uma abordagem totalmente nova para acomodar o motor de um carro, mas as limitações financeiras impuseram restrições ao projeto a partir do zero.

Colaboração Engenhosa: A Adaptação do Chassi Norton Featherbed por Münch

Frente a essa desafio, Münch optou por colaborar com a Norton Featherbed, a motocicleta de melhor dirigibilidade da época, personalizando o quadro de acordo com suas necessidades.

Essa customização foi essencial, já que o Mammoth acabou pesando 480 quilos – uma cifra notável para a época, considerando que o Norton Commando pesava 420 libras.

Inovações Imponentes: Elementos Marcantes no Design do Mammoth

Inspirado pelo gênio inovador de Erik Buell, o Mammoth se destacava por notáveis elementos de design, sendo um exemplo o colossal sistema de freio dianteiro de 250 mm feito de magnésio.

Curiosamente, esse componente era anteriormente empregado pela Norton em aplicações de corrida.

Na primeira versão, apresentada em 1966, incorporava um braço oscilante com a carcaça da corrente de transmissão do lado esquerdo, constituindo uma unidade selada que permitia à corrente operar em banho de óleo.

Essa abordagem inovadora eliminava a necessidade de lubrificação frequente.

Além disso, a corrente de transmissão do Mammoth era equipada com um tensor que simplificava o ajuste rápido da folga.

Essas características não apenas evidenciam a busca por desempenho excepcional, mas também refletem a atenção meticulosa aos detalhes no design desta notável motocicleta.

Adaptando-se à Potência: Evolução na Estrutura da Roda Traseira

Nas iterações posteriores, quando motores maiores e mais potentes foram introduzidos, a roda traseira teve que abandonar os raios convencionais em favor de uma liga.

Essa mudança foi necessária, uma vez que nenhum raio seria capaz de suportar o torque fornecido pelos motores robustos implementados nas versões subsequentes do veículo.

Essa adaptação na estrutura da roda traseira reflete a constante busca por melhorias e otimizações para lidar com as demandas crescentes de desempenho do Mammoth.

Maior, melhor e mais rápido

O motor cresceu – assim como a potência e a velocidade máxima

O motor original do Mammoth não permaneceu em operação durante toda a sua vida útil; na verdade, foi prontamente atualizado para outro motor NSU de 1.177 cc, capaz de gerar impressionantes 104 cavalos de potência, se assim desejado.

Em comparação, a Honda CB750 Super Four, frequentemente mencionada, deslocava 750 cc e entregava 68 cavalos de potência.

A conquista dos 104 cavalos de potência foi viabilizada pela injeção mecânica de combustível, marcando a Mammoth como a primeira motocicleta do mundo a adotar essa tecnologia.

Destacando-se como uma moto notável e altamente versátil, o motor anterior de 996 cc demonstrou uma notável capacidade, acelerando de 20 MPH a 120 MPH sem esforço, enquanto o motor maior manteve um desempenho semelhante em termos de torque.

Preservando o Legado: Desafios e Estratégias do Chassi do Mammoth

Além disso, o chassi do Mammoth permaneceu fiel ao original, preservando um peso reduzido devido ao extenso uso de liga de magnésio.

Essa escolha estratégica abarcou os controles deslizantes do garfo, a caixa da corrente, a caixa de câmbio e, como mencionado anteriormente, os freios e a roda traseira.

No entanto, a decisão estratégica de preservar o design original do chassi levou o Mammoth a enfrentar um desafio substancial relacionado ao desgaste acelerado dos pneus traseiros.

Isso ocorreu devido à falta de um pneu capaz de resistir a mais de 1.600 quilômetros sob a potência e torque vigorosos do motor.

Essa consideração sublinha a constante busca por soluções frente aos desafios enfrentados pelo Mammoth, visando manter seu desempenho excepcional e sua posição marcante na história das motocicletas.

Münch nos EUA, Alguns exemplos foram feitos aqui

Por exemplo, mais de 500 exemplares do Mammoth foram construídos até o final de sua produção em 1975, e um grande número deles foi importado para o mercado dos EUA graças a Floyd Clymer, um empresário americano. Foi comercializado como Clymer-Münch Mammoth IV e vendido por quase US$ 4.000, quando o BMW R69S custava US$ 1.700.

Leia também:

Contudo, claro, esse é o preço que se paga pela exclusividade, perfeição artesanal e materiais leves como magnésio e alumínio. 

Também havia planos para fabricar modelos com motor duplo 750 Indian Scout V, mas apenas um único protótipo foi construído com esse motor. Também havia planos para fabricar um Mammoth com uma máquina de 3 cilindros e dois tempos com 90 cavalos de potência, mas esses planos nunca viram a luz do dia.

O Mamute 2000

O último projeto de Friedl Münch

Revivendo o Legado: O Projeto Titan e a Inovação com o Mammoth 2000

A produção original do Mammoth encerrou-se em 1975, mas uma notável continuação surgiu na década de 1980 com o projeto especial ‘Titan’.

Equipado com um motor de 1.800 cc e supercharger, este exemplar gerava 160 cavalos de potência a 7.800 RPM, destacando-se pelo resfriamento a óleo em contraste ao convencional resfriamento a água.

O último desenho concebido por Friedl Münch, denominado Mammoth 2000, desafiou expectativas ao deslocar 1.998 cc, derivado de um motor de carro GM Ecotec da Saab.

Inovação Motorizada: Cosworth, Turboalimentação e Desempenho Excepcional

Ao colaborar com a renomada Cosworth para o projeto do cabeçote, a Münch alterou o sistema de resfriamento para óleo, mantendo a tradição do Mammoth original.

Com um turboalimentador, o resultado foi impressionante: 260 cavalos de potência a 5.650 RPM e 280 libras-pés de torque a 3.500 RPM, com um limite de 8.500 RPM.

A velocidade máxima, inicialmente limitada a 156 MPH, poderia alcançar 172 MPH sem restrições, prometendo um desempenho excepcional.

A Valiosa Raridade: O Mammoth 2000 no Mercado e sua Herança Duradoura

Com um preço de venda ultrapassando os US$ 80.000 na época, o Mammoth 2000 representava uma obra-prima exclusiva. A produção limitada a 15 unidades, de uma planejada de 250, adiciona um toque de raridade.

Em retrospectiva, o Mammoth 2000 é mais do que uma motocicleta – é um símbolo incomparável de engenhosidade e poder sobre duas rodas, cujo renome perdura na história das motocicletas de alto desempenho.

Münch Mamute 2000

Tipo de motorRefrigerado a óleo, 4 tempos em linha, turboalimentado
Deslocamento1.998 cc
Poder maximo260 CV a 5.650 RPM
Torque máximo280 libras-pés @ 3.500 RPM
Velocidade máxima156 MPH (restrito)

Continue navegando no portal The Riders e acelere com a gente!

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades! Moto

Notícias relacionadas

Lucas Almeida contando sua história

The Riders

Recorde de mototurismo: 15 países em 22 Horas

The Riders

A velocidade é cara: a história incrível de Vincent

The Riders