fbpx
The Riders Histories
Destinos

Percorrendo 740 milhas em 2 dias em uma 250 de 34 anos

O confiável Suzuki GS 250 ’81 do autor com mapa de rotas colado no tanque de gasolina. “O que?! Você é louco, filho. Não acredito”, disse meu pai depois de ouvir minha história.

Ele deveria saber. Ele possui e personaliza máquinas de velocidade Kawasaki de 1.000 cc desde sempre. Eu os vi na garagem em suportes, as rodas traseiras flutuando em repouso como as asas de Aquiles esperando para atingir a linha vermelha após a linha vermelha enquanto eles aceleram pelas marchas.

Mas não andei em uma de suas motos de Santa Bárbara a Mammoth Lakes, Califórnia, para o casamento de um amigo no fim de semana em 2015. Não tive experiência. Em vez disso, peguei a única motocicleta que tinha – uma Suzuki GS250 1981 recentemente adquirida, com poucos quilômetros e todas as peças originais.

Um amigo que entende de motos viu um anúncio e disse: “Compre. Por US$ 500 é um acordo.” E foi!

Uma loja local deu uma olhada e eu disse a eles: “Estou indo para Mammoth, por favor, certifique-se de que é seguro”. Com uma troca de óleo e lavagem do sistema de combustível, eles deram sua bênção. Eles não pareciam preocupados com os pneus, correntes e freios velhos.

Com uma mochila e uma mochila saí de Santa Bárbara na sexta-feira ao meio-dia do final de agosto. De porta em porta esta viagem tem 370 milhas, cerca de sete horas com paradas. Minha rota começou para o sul na Highway 1/US 101 ao longo da costa do Pacífico até virar para o interior em Ventura. Andar pelos densos laranjais do vale do rio Santa Clara, na Rodovia 126, me encheu de êxtase. Cheiros frutados flutuavam pelo meu capacete ventilado. Meus olhos continuavam vagando para grandes eucaliptos, sicômoros à beira de riachos e colinas marrons e enrugadas.

Companheiros ciclistas ao longo da US Highway 395.

Felizmente, lembrei-me do conselho do meu curso de treinamento em segurança para motocicletas: “Você vai aonde seus olhos vão”. Para evitar bater naquelas lindas árvores, voltei meus olhos para a estrada. Eu estava cheio de otimismo até penetrar no calor do interior ao me conectar à I-5 ao sul em Magic Mountain.

Depois de uma hora de viagem, estou com sede e paro em um shopping para me hidratar. Sentado e suando sob o sol opressivo, comecei a questionar minha escolha de viajar sozinho pelo deserto da Califórnia nesta pequena motocicleta durante uma forte onda de calor. Estavam 105 graus. Tanto para o paraíso.

Racionalizei minha decisão, dizendo a mim mesmo “esta é uma oportunidade rara” e “prometi ao meu amigo que iria”. Então, fiz um plano. Encha minha moto com gasolina e eu mesmo com água a cada 60 milhas. Não exceda 65 mph. Eu chegarei lá quando chegar lá.

Chegando ao condado de Inyo pela rodovia 395 em um calor desértico de 110 graus.

Lá estava eu, navegando pela Rodovia 14 através do Vale do Antílope, apertando cada rachadura e buraco que o Suzuki passava. Então eu senti isso. Minhas mãos formigando por causa das altas rotações zumbindo no guidão. Devo desacelerar, possivelmente me tornando um perigo para os motoristas? Ou devo resistir pelos próximos 220 milhas? Decido suportar o desconforto para ganhar tempo.

Leia também:

Depois da cidade de Mojave, encruzilhada no deserto, comecei a me perguntar a que distância ficavam os postos de gasolina. Quando me conectei à Rodovia 395 e segui para o norte ao longo da Eastern Sierra Scenic Byway , lutei contra o medo do desastre apreciando a paisagem. Do meu assento ao ar livre, observei novos detalhes nunca vistos em um carro. A salva do deserto, o solo arenoso e os pássaros esvoaçantes são todos mais vívidos, próximos o suficiente para que eu quase possa tocá-los. Aqui eu finalmente senti que pertencia à minha motocicleta. Eu estava fazendo um bom progresso.

Até a subida.

Capacete pequeno, grandes montanhas, céu azul.

Bishop, um bairro no Vale Owens, fica a 4.100 pés acima do nível do mar. Mammoth Lakes, para onde eu estava indo, fica a quase 2.500 metros de altitude. Eu e meus pequenos 250 precisávamos escalar quase 4.000 pés em pouco mais de 64 quilômetros. E eu estava atrasado e o sol havia se posto atrás dos picos recortados da Sierra. Embora a inclinação fosse moderada, era constante e colocou a Suzuki à prova. Conforme subi, o ponteiro do velocímetro desceu. O motor parecia bom. Mas 200 libras em cima de uma moto de 348 libras com 36 cavalos de potência significavam que 40 mph era o melhor que eu poderia esperar.

Lembra daquela cena em “Dumb and Dumber”, quando Lloyd e Harry, andando a dois em uma mini moto, finalmente escalaram até Aspen com uma longa fila de carros atrás deles? Sim, fui eu, sem o ranho congelado.

Lago Owens ao pôr do sol.

Meus pés finalmente pousaram em Mammoth por volta das 21h30, com o motor quente estalando no ar frio da montanha. Minhas mãos pareciam diapasões, emitindo sua própria frequência após nove horas de formigamento. Minhas costas estavam doloridas por causa da mochila. Inferno, tudo estava dolorido. E meu estômago roncou em protesto porque tudo que comi foram barras de proteína.

Mas todas essas perturbações cessaram quando entrei na sala de banquete iluminada, onde meus amigos e seus entes queridos se deleitavam com entusiasmo pelo casamento de amanhã. Meu amigo ficou em êxtase ao me ver! Bebemos cerveja e vinho ao lado da lareira. Pratos de comida estavam por toda parte. Risos e histórias encheram o ar noturno.

Eu fiz isso. Na verdade, eu consegui.

O autor antes do casamento no topo da Mammoth Mountain, com a rota que escalou atrás dele.

Chegou o sábado e o casamento ao ar livre nas montanhas foi majestoso. Tirei fotos de filmes. Conheci pessoas lindas, comi boa comida e dancei loucamente noite adentro. Foi perfeito e desejei que o dia nunca acabasse. Deitado na cama naquela noite, porém, a euforia foi contrabalançada por um pensamento agourento: devo fazer a mesma viagem para casa AMANHÃ.

Domingo de manhã me despedi depois do café da manhã. Antes de decolar lembrei de verificar o nível de óleo da Suzuki. Seco. Ainda bem que verifiquei. Com as mãos ainda formigando desde sexta-feira, completei o abastecimento de petróleo e gás e saí. Apesar da dor nas costas e das mãos dormentes do dia seguinte, eu estava grato por estar sozinho com meus pensamentos. Mesmo plano, mesma rota. A mesma onda de calor.

O calor me consumiu. Ao ar livre pude detectar mudanças sutis de temperatura. Estava quente. Quão quente? Aproximando-me de Mojave, senti a queda de temperatura em talvez cinco graus. Enquanto abastecia verifiquei a temperatura: 108. Mas é um calor seco, dizem. É um calor quente, eu digo. E assim permaneceu até a cidade litorânea de surfe de Ventura.

Senti o frescor e a umidade encantadores do oceano. O calor passou e eu estava totalmente envolvido no conforto costeiro dos anos 70. Norte na Highway 1/US 101 e chegaria em casa em mais 30 minutos. Fiz um tempo bem melhor e cheguei às 19h, bem a tempo de ver o sol se pôr lentamente. Saí e parei no cruzamento.

A rota de 369 milhas do autor de Santa Bárbara a Mammoth Lakes, Califórnia.

A imensidão do que acabei de realizar tomou conta de mim. Eu andei sozinho 740 milhas em um calor de três dígitos em 2 dias em uma cruiser de 250 cc de 34 anos com todas as peças originais. E nenhum desastre se abateu sobre mim! Não só a moto sobreviveu, mas eu também sobrevivi. moto e corpo, levados ao limite. De quantos cc eu sou feito? Muitos pensamentos giraram em minha cabeça quando entrei na garagem. O que mais me encantou foi: “Mal posso esperar para contar ao meu pai o que acabei de fazer!”

Continue navegando no portal The Riders e acelere com a gente!

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades! Moto

Notícias relacionadas

SALVADOR – FAROL DA BARRA

Marcelo Nunes

Explorando Ushuaia de Moto: Dicas para a Aventura dos Sonhos

Marcelo Nunes

Estrada Parque (BA)

Marcelo Nunes

Deixe um comentário