fbpx
The Riders Histories
Destinos

Uma viagem pelo Himalaia com a Royal Enfields, uma experiência de outro mundo

Parece que se você vai à Índia descobrir o país de moto, tem que ir numa Royal Enfield, por isso fizemos uma viagem pelos Himalaias com uma Royal Enfield, como não poderia deixar de ser, e foi verdadeiramente única, maravilhosa, cheia de experiências.

A morada das neves perpétuas” é o significado da palavra Himalaia em sânscrito, e este seria o nosso território a explorar, uma cordilheira mítica.

Foi uma viagem desejada, adiada em 2020 devido à pandemia, para estradas que abrem de maio a outubro devido à queda de neve e que ficam lamacentas desde junho devido às chuvas de monções. Raj, um grande amigo e dono da agência que montou o roteiro , nos aconselhou durante a primeira quinzena de junho. Sucesso total, todos os dias com sol menos o último.

Éramos oito na expedição: Fernando, Gregor, Joan, Mar, Marina, Montse, Pepito e Pilar. Cande e Cristóbal, dois também amigos regulares, desta vez deixaram o projeto por motivos de trabalho.

O grupo pronto para tudo. No meio trocamos o Bullet pelo Himalaia, e foi uma mudança muito melhor.

Assim foi nosso dia a dia

Dia 1. De Barcelona a Delhi via Abu Dhabi.

Dia 2.  De Delhi a Chandigarh, 280 km. Chegamos às 4 da manhã, mas eram cerca de 6 horas entre despachos e bagagens. O microônibus já estava esperando e partimos. É impossível descrever a maneira “especial” de dirigir na Índia: vacas e cabras na estrada, ultrapassando todo mundo esfregando e buzinando, carros indo na direção errada até um metro antes de bater, etc. Um espetáculo que nos mantém acordados apesar do cansaço.
Chandigarh tem a maior renda per capita e alfabetização do país e é Patrimônio Mundial pelo número de obras de Le Corbusier que possui. Visitamos alguns à tarde e jantamos super apimentados. No geral: um primeiro dia emocionante.

Dia 3. De Chandigarh a Manali 332 km Começamos o dia em uma oficina com uma pane nos freios do microônibus. Ao nosso redor um mundo diverso: um limpador de ouvidos, um vendedor de coco, Sikhs com grandes turbantes e facas, um mendigo… Depois temperamos os nervos para uma longa viagem até Manali. Chegamos à 1 da manhã depois de horas parados devido a um ônibus caído na estrada. Do outro lado do incidente, os carros ocuparam as duas faixas e o microônibus passou, obrigando-os a sair da melhor maneira possível. Jantar no caminho e dormir.

É impossível descrever o modo “especial” de dirigir na Índia: vacas e cabras na estrada, roçando nas ultrapassagens e assobiando o tempo todo.

Dia 4. Manali (2.050 m de altitude). Hoje visitaremos os banhos sagrados de Vashisht, com 4.000 anos, e o Templo Hadimba, com 1.500 anos, no meio de uma impressionante floresta de cedros. Esta deusa com sua lenda aparece nos épicos do Mahabharata. À tarde levam as motos para o hotel, 5 Royal Enfield Bullet  Standard de 500 cc. Depois de testá-las damos um passeio pelo bazar. À noite, Raj convida-nos a ver Bharni e Ram, os motoristas, fazerem Naan no fogão, com grande habilidade. Depois comem com legumes.
A partir de amanhã, as etapas serão marcadas pelas poucas (e precárias) acomodações ao longo do percurso.

Dia 5. De Manali (2.050 m) a Jispa (3.200 m), 147 km Antes de iniciar o percurso, um homem santo realiza uma cerimônia de boa sorte. Ele nos abençoa um por um assim como as motocicletas e coloca uma pulseira em nós, as mulheres à esquerda e os homens à direita. A altura é perceptível, Fernando está com dor de cabeça e sua moto está afogada. Em 30 km chega-se ao novo túnel de oito km que atravessa as entranhas da grande cordilheira. Antes dele, o Vale Kullu e do outro lado o árido Vale Lahaul onde os mosteiros budistas substituem os templos hindus.

As motos são difíceis, mas as condições da estrada causam algumas avarias

Joan fura antes de sair do túnel e a moto de Gregor para. A estrada, em muito mau estado, sobe e desce as pontes de Keylong que atravessam o rio Chandra entre paisagens impressionantes. Há intenso trânsito de caminhões com ultrapassagens perigosas, onde a motocicleta é mais fraca. De Jispa há belas vistas dos vales e picos nevados.
Durante o dia chegamos aos 15 graus, mas à noite o frio é intenso. O alojamento de hoje é simples mas entre paredes.

Dirigir é realmente perigoso em alguns trechos…

Dia 6. De Jispa (3.200 m) a Sarchu (4.253 m), 75 km. Sou a única garota que anda de moto hoje. Marina está com enjôo de altitude, Mar ainda se recupera de uma fratura e Montse não se atreve a fazer essas estradas, então vão de microônibus. Em 30 km começa uma subida íngreme que sobe 1000 m em 18 km, entre cachoeiras congeladas. Passamos por um longo comboio de caminhões militares que se dirigem para um acampamento perto de Sarchu, construído com tendas e uralitas. Imaginamos o frio que eles devem passar.
Acima está o Passo Baralacha La (4.891 m) com paredes de gelo e neve de vários metros de altura, a paisagem faz esquecer a dureza da estrada maltratada. Lá paramos para comer uns biscoitos e beber água já que estamos indo muito mais rápido que o microônibus.

Fizemos a primeira parte da viagem em cinco Royal Enfield Bullet Standard 500 cc

Descendo em direção a Sarchu, é necessário registrar-se, pois é uma zona militarizada e o início do estado de Ladakh, parte da agora independente Caxemira.
Ficamos em um acampamento com luz elétrica por apenas 3 horas a partir do anoitecer (19h) e água quente que será trazida em um balde às 6 da manhã. Não tem chuveiro, o vaso sanitário tem balde embaixo da torneira e a cama parece de madeira mas…não tem escolha. O jantar está reservado e eles têm suprimentos suficientes para isso, então para o almoço tiramos alguns pãezinhos embalados e salsichas que trazemos e improvisamos alguns sanduíches. No jantar comemos coisas muito quentes porque está abaixo de zero e faz muito frio. Marina está resfriada e todos nos sentimos exaustos pela altitude.

Vista do Vale do Rio Chandra.

Dia 7. De Sarchu (4.253 m) a Leh (3.500 m), 240 km A noite foi muito ruim por causa da cama e do frio. Às 6 da manhã chega o balde de água quente; O que está nas torneiras está congelado, não sai. Cobrimo-nos bem, estaremos quase sempre nos 4.000m. Seguimos o rio, e a 4.180 m de altitude começam as 22 curvas de 180º (Gata loops) que terminam no Nakee La Pass (4.739 m) e no Lachulung La Pass (5.065 m). Este trecho é um dos piores da viagem, muito estreito na beira da falésia, com deslizamentos e pouco asfalto, além de dezenas de caminhões militares que ocupam toda a largura da estrada. Numa freada repentina durante uma ultrapassagem, Pepito cai e sofre uma forte pancada nas costelas e em outra Joana teve que cair na vala inexistente. São 80 km que nos levam 5 horas e uma prova de resistência. No topo paramos para recuperar forças.

A natureza que nos rodeia na viagem pelo Himalaia é selvagem e imponente com enormes paredões rochosos e muita neve

A natureza que nos rodeia é selvagem e imponente com enormes paredões rochosos e muita neve. Em seguida segue o esplêndido planalto de 42 km do Vale Skyangchu Tang, com longas retas que permitem correr. Está cheio de tendas nômades e rebanhos de animais como iaques que circulam livremente. Lá a moto do Fernando para por conta da altura e teremos que esperar o mecânico. 

O guia fica e o resto continua com sua moto. Em 70 km descemos e depois subimos até Tanglang La (5320 m) com vistas imbatíveis das montanhas nevadas e do Lago Tso Kar. Descemos novamente e subimos novamente até 5.350 m com neve não removida no solo e muito degelo. Lá embaixo, em Upshi, paramos para esperar o guia e o microônibus. Pepito decide largar a moto, sua lateral dói a cada solavanco e a moto de Gregor não quer pegar. Passamos por 2 controles, Atravessamos o rio Indo e continuamos em direção a Leh. Já se passaram 10 horas de bicicleta e estamos exaustos.

As estradas em alguns trechos são terríveis…

As condições são duras nesta viagem pelo Himalaia, à noite a água das torneiras congela e o cansaço se acumula.

Dia 8. De Leh ao Vale Nubra, 120 km Para continuar além de Leh é necessária uma licença especial que não conseguimos obter ontem devido ao atraso e hoje é domingo. Raj vai até a casa do comissário pedir e consegue. Trocamos as motos por algumas Himalaias de 411 cc, mais voltadas para trilhas e mais leves. Eles são quase novos, como um brinquedo. A viagem pelo Himalaia enfrenta uma nova etapa com estas motos.
Para chegar ao Passo Khardungla, que segundo a placa é a estrada motorizada mais alta do mundo (17.982 pés ou 5.602 m), são 39 km em que a estrada sobe 2.000 m. Existem 4 pontos de verificação antes do topo e 1 na descida. No primeiro são mais de uma centena de motos que simplesmente sobem para tirar uma foto e há fila para isso. Continuamos subindo em direção ao Karakorum onde a estrada está cheia de neve. Paramos logo em seguida em uma cabana para experimentar a comida tibetana: thenthuk (sopa de macarrão com vegetais).

Nesta viagem pelo Himalaia passamos pelo Passo Khardungla, que é a estrada motorizada mais alta do mundo com 5.602 m.

A fisionomia do povo já é tibetana. A descida do passo é muito motorizada e bonita, cheia de geleiras mas quando se chega ao vale fica complicado, tem muita areia escorregadia e rios que atravessam a estrada. São as dunas entre Diskit e Hunder Village onde vivem os camelos bactrianos. Estamos felizes, conseguimos algumas cabines para esta noite. Descansamos um pouco em seu jardim tomando chá de gengibre com mel e decidimos mudar a rota de amanhã e não ir para Turtuk (última cidade antes do Paquistão) que teria cerca de 250 km de extensão e visitar coisas mais próximas. Jantamos comida tibetana: sopka manchurii (tomate e pão), Thenthuk, Balep korkun (pão achatado), um tipo de feijão e vários tipos de arroz. Tudo muito bom.

De Manali a Jispa, um trecho complicado.

Provámos a comida tibetana, diferente mas muito boa, Thenthuk, Sopka Manchurii e Balep korkun

Dia 9.Vale Nubra, 140 km. Partimos às 6h para visitar o antigo mosteiro de Samastanling com pinturas centenárias representando a roda gigante da vida e os 7 níveis. Depois iremos ao mosteiro Diskit, que abriga uma escola para crianças tibetanas. Ele está pendurado na parede da montanha com vistas maravilhosas do Vale Nubra e cercado pelos picos nevados do Himalaia. Subindo mais de 250 degraus chega-se ao gompa com seu Buda Maitreya e um grande tambor. Não nos permitem ver os objetos rituais, mas permitem-nos ver uma relíquia com uma lenda. Dizem que o mosteiro foi saqueado várias vezes pelos mongóis e mataram um deles que era um demônio. Todos os dias ele voltava ao local até que lhe cortaram a cabeça e as mãos e numa sala nos mostraram a espada, a caveira e as mãos mumificadas. Fernando continuou subindo escadas até alguns pequenos corredores que levam às celas. Um dos monges permite que ele continue subindo até o grande salão de orações decorado com pinturas tibetanas. Em frente ao mosteiro visitamos o grande “Buda coroado” de 32 m inaugurado pelo Dalai Lama em 2006 e de onde podemos avistar o Paquistão, o vale, o rio e o mosteiro. Uma visita muito interessante.
Depois de comer seguimos por um caminho perdido entre as dunas até ao pequeno e belo lago sagrado de Yarab Tso, escondido entre montanhas. Surgiu no lugar onde dizem que caiu um dos 2,10 metros da criação de Buda. De volta, descansamos novamente no jardim antes de um churrasco. Nesta viagem pelo Himalaia você poderá desfrutar de absolutamente tudo, embora também sofra.

Las Gata Loops subindo até Nakee La.

A partir do oitavo dia de viagem, trocamos nossos quadros pelos novos Royal Enfield Himalayans, que são muito mais leves, fáceis e divertidos de pilotar.

Dia 10. De Nubra a Pangong, 185 km. Saímos por vales cheios de água e atravessando diversas pontes sobre o rio Indo que faz fronteira com a China. Descemos através de um desfiladeiro e desfiladeiros espetaculares. A paisagem parece um sonho que termina no Vale Shayok, cheio de lagoas e animais e no final um bom asfalto e linhas retas que convidam à corrida. Porém, a área é um acampamento militar contínuo e nos param para nos lembrar que não há fotos. Ali ocorrem escaramuças frequentes com os chineses, que invadem para tentar obter o Lago Pangong, do qual hoje detêm 70%. A última foi há apenas 15 meses. Joan diz que viu armas pesadas.
O acampamento de hoje no Himalaia fica no topo de uma colina com vistas soberbas do belo lago azul de 144 x 5 km. Mesmo com sol faz muito frio e venta tanto que levanta os tecidos. Há eletricidade das 7 às 10 da noite e água quente às 6 da manhã. Improvisamos alguns sanduíches como comida e vamos descansar um pouco, bem cobertos. Às 18h alguém grita na porta da loja, sem pedir licença abre o zíper e aparece um nativo com uma garrafa térmica na mão dizendo: Café ou chá? Ele fez isso em todas as lojas. Jantamos e passamos horas conversando sob luz artificial. O frio é muito intenso.

Tanglang La Pass a 5.328 m.

Visitamos o grande “Buda Coroado” de 32 m inaugurado pelo Dalai Lama em 2006 e de onde se pode ver o Paquistão, o vale, o rio e o mosteiro

Dia 11. Do Lago Pangong a Thiksey, 115 km. Às 6 da manhã a cena da garrafa térmica se repete. Amanheceu nublado. Recuamos alguns quilómetros para fazer outra passagem com uma estrada que piora à medida que subimos. É estreito com pedras e buracos até chegar ao topo, a 5.391 m, onde a temperatura cai repentinamente e neva levemente. Na descida ocorre um grande deslizamento de terra e a estrada fica cortada quando chegam Fernando e Pilar, que ficam sozinhos e se atrasam quase duas horas. Até o vale o percurso permanece em péssimas condições, algo comum nesta viagem pelo Himalaia.
No acampamento de hoje há eletricidade e água, mas o chuveiro é um balde para derramar água sobre si mesmo. Entretemo-nos no lounge-bar praticando ioga com Raj que adota posturas impossíveis. O garçom acende a luz inserindo os cabos diretamente na tomada. O jantar é bem picante e acompanhamos uma boa sobremesa com ratafía que Marina e Joan trazem.

Khardung La Pass a 5.602 m.

Em Leh, nosso final da viagem ao Himalaia, nos despedimos dos Royal Enfield Himalayans, não sem tristeza; Eles nos proporcionaram momentos bons e intensos

Dia 12. Thiksey a Leh, 30 km. Às 3 da manhã somos acordados pelo chamado de um minarete e às 6 pela chamada do mosteiro de Thiksey, ambos com alto-falantes.
Após o café da manhã visitamos o belo mosteiro de Thiksey, que chamam de “a pequena Potala” por causa de sua semelhança com o de Lhasa. Quando você chega, os monges estão entoando mantras na sala de oração, os mais velhos na frente e as crianças brincando atrás. Enquanto estamos em uma sala adjacente cheia de pequenos Budas, ouvimos o som de trombetas tibetanas e corremos de volta. Assistimos a uma cerimónia em que os monges tocam as enormes trombetas (dungchen), os búzios (shankha), os tambores e os sinos (rin gong), alternando ritmicamente os sons e mantras. É um momento mágico que contemplamos hipnotizados.
Em Leh nos despedimos dos Himalaias, não sem tristeza, eles nos proporcionaram momentos bons e intensos nesta viagem pelo Himalaia. Terminamos o dia visitando o Palácio Real e fazendo algumas compras no bazar.
Antes de voltar para casa, o grupo passará 10 dias na Índia visitando diversos monumentos.

Ao fundo o Mosteiro de Thiksey. Os Himalaias tiveram um desempenho muito bom.

Destaques da jornada pelo Himalaia

Total de quilômetros : 1.050
Percurso : ao longo da cordilheira do Himalaia começando em 2.050 m em Manali e não indo abaixo de 3.200 m. Cruzamos 7 passagens acima de 4.500 m. O Khardungla mais alto com 5.602 m.
Nível de dificuldade : É uma viagem difícil devido às estradas, à condução e ao clima. As acomodações são muito básicas. Você tem que estar mentalmente preparado. Começamos a viagem de moto com 4 casais e Fernando terminou com Pilar, Gregor e Joan.
Avarias : eram esperadas 6 avarias devido à altura e 1 furo. Nenhum com o Himalaia.
Papelada : passamos por treze postos de controle policial. É importante ter toda a documentação no celular e em papel.
Pessoas: Os índios pedem repetidamente para tirar fotos com você, ainda parecemos estranhos.
Comida : Se você gosta de comida picante, vai gostar. Em geral é muito barato.
Logística : tínhamos um microônibus para chegar às montanhas e transportar bagagens e equipamentos, um guia, um mecânico, dois motoristas e dois auxiliares para eventuais problemas, controles e autorizações. Nossos agradecimentos à Incredible Rural India , ao Raj e sua equipe que foram impecáveis ​​e fizeram todo o possível para que tudo corresse bem.

Texto : Pilar Piloto : Nando  Fotos : de todo o grupo

Notícias relacionadas

Com mais de 1300 km de caminhos rurais, Socorro oferece diversidade de aventura off road

Marcelo Nunes

Rota do Sol (RN)

Marcelo Nunes

Estrada Parque (BA)

Marcelo Nunes

Deixe um comentário