fbpx
The Riders Histories
Notícias

A Ducati Multistrada completa 20 anos, de experiência a best-seller, uma história curiosa

Todos nos lembramos do nascimento deste ousado maxitrail quando chegou ao mercado em 2003 , de uma marca que fabricava apenas supercarros desportivos e um emblemático naked, o Monster. Como é possível que a Ducati fabrique um Trail? Esta foi a pergunta que todos nos fizemos há 20 anos, a mesma que os fãs da Ferrari se fazem hoje quando veem o seu primeiro SUV, o Purosangue. Bem, é isso.

Da Multistrada 1000 DS 2003 com motor L-twin – como diziam os puristas – com distribuição desmodrômica e refrigeração a ar chegamos hoje aos modernos MTS V2 e V4, que nada têm a ver com aquela primeira criação, já repleta de tecnologia, electrónica e design espectacular, mas mantendo o seu espírito inovador e aventureiro.

Quando Pierre Terblanche, designer da primeira Multistrada – a Ducati Multistrada 1000 DS, para Dual Spark, vela dupla – mostrou o seu primeiro protótipo, ninguém pensava que entraria em série quase sem modificações. E o seu design era mesmo polémico, com a sua estranha e curiosa semi-carenagem dividida em duas, o seu duplo farol óptico vertical, com assento separado do piloto e do passageiro – como num carro desportivo – e a sua cauda de onde sobressaíam os dois grandes escapes. silenciadores.

Aproveitando que a Ducati Multistrada completa 20 anos, iremos rever todas as suas versões

O chassi era o habitual Treillis multitubular de aço , com espetacular braço oscilante unilateral, com garfo invertido, rodas de liga leve de 17” e discos duplos de freio dianteiro de 320 mm. Era um maxitrail de asfalto, um superesportivo com guidão alto, uma resposta clara à Yamaha TDM 850, que havia sido a precursora desse estilo. O motor era o L90º TS 1000 bicilíndrico -4T, ar, 4V, Desmo, IE Marelli- de 992 cc e 85,5 CV, que movimentava os seus 195 kg com bastante facilidade, um valor realmente baixo. E sua instrumentação, com mostrador de fundo branco para o tacômetro e tela quadrada para velocímetro e computador de bordo!, também fez a diferença.

O seu preço no nosso mercado em 2003 era de 12.490 euros, o maxitrail de asfalto mais caro da época, de longe. A Multistrada continuou a evoluir e em 2005 teria uma versão mais equipada e desportiva, a 1000 S, com suspensões Öhlins, peças em carbono, nova decoração e mais detalhes, com um preço de 14 mil euros. Ela viria acompanhada de uma irmã mais nova, a Multistrada 620, com L2 de 618 cc e 63 cv, para movimentar 183 kg. O seu preço começou nos acessíveis, embora não baratos, 8.250 euros.

Em 2007 chegou a Multistrada 1100, com motor L2 de 1.078 cc e 95 cv , embora ainda mantendo a estética de 2003, a última Terblanche, e nas versões DS 1000 e S. Não representou nenhuma revolução e uma mudança…

Embora existam oficialmente quatro gerações de Multistrada, na realidade existem muito mais versões

A segunda geração da Multistrada chegou em 2010, a Multistrada 1200 – código interno Cayenne -, totalmente renovada e ostentando a estética que conhecemos hoje, abandonando para sempre o design Terblanche. Equipada com novo chassi treliça de aço, braço oscilante unilateral em alumínio, novo garfo invertido Marzocchi e monoamortecedor Sachs, foi equipada com novas rodas de liga leve de 17”, disco dianteiro duplo de 320 mm com pinças radiais Brembo e muita eletrônica.

O antigo motor pneumático L2 Twin Spark é abandonado e surge o motor Testastretta Evoluzione 11º, que é uma evolução do Testastretta do esportivo 1198, um motor L-twin de 1.198 cc -8V, Desmo, LC, IE- e 150 HP, mas agora com embreagem a óleo, caixa de câmbio revisada e novo sincronismo de fechamento de válvula. A semicarenagem com estética agressiva e moderna se destaca pelo farol duplo rasgado e surpreende pelo baixo peso de 189 kg.

É carregado com gadgets e eletrônicos como acelerador eletrônico, quatro modos de condução -Sport, Touring, Urban e Enduro-, controle de tração, suspensão eletrônica Ohlins, sensor de pressão dos pneus, ABS Bosch desconectável, controle de tração – ajustável em 8 modos – , a chave de início remoto ou as manoplas aquecidas. O seu preço era de 14.995 euros -15.995 com ABS-, sendo também oferecido na versão S – suspensões eletrónicas Öhlins e ABS-.

As Multistrada sempre foram V2, até a chegada da Multistrada V4 em 2020

Em 2011 surgiu a primeira versão esportiva do Pikes Peak , em homenagem à vitória do piloto norte-americano Greg Tracy em 2010. É a versão mais radical e esportiva dessa trilha de asfalto.

Já em 2015 chega a terceira geração da Multistrada, que muda esteticamente e é vestida com um novo motor L2, o Testastretta DVT – já utilizado na Ducati Diavel -, basicamente um motor Testastretta – 1.198 cc, 106 x 67,9 mm, LC , Desmo, 8V, IE- ao qual foi acoplado um sistema de tempo de abertura de válvula variável que atua nas válvulas de admissão e escape de cada cilindro. A potência declarada é de 160 cv a 9.500 giros, com torque de 136 Nm a 7.500 rpm, com 80 Nm de torque a apenas 3.500 giros.

E com a terceira geração vem o pacote eletrônico de segurança da Ducati, com a instalação de uma IMU –Unidade de medição inercial-, para que o controle de tração ou ABS já sejam sensíveis à inclinação.

Isso também leva à chegada do controle de cruzeiro ou faróis adaptativos , que iluminam automaticamente o interior da curva conforme a motocicleta se inclina. Uma coisa totalmente nova sobre eletrônica.

Nasceu em 2003 quase como uma experiência e hoje é o modelo mais vendido

E mais um gadget, já que surge a versão D-Air , que se conecta sem fio a um airbag Dainese, tornando-se a primeira motocicleta “equipada com airbag externo”.

Em 2016 nasceu a tão esperada versão mais off-road, a Ducati Multistrada 1200 Enduro , com chassi redesenhado e mais reforçado, com rodas raiadas, roda dianteira de 19″, suspensões de curso mais longo e braço oscilante duplo . Tanto o motor V2, o Testastretta DVT 1200, quanto a eletrônica permanecem inalterados em comparação com a Multistrada 1200.

A próxima mudança viria em 2018, ano em que o nosso atual maxitrail levaria um novo motor V2, o Testastretta 11º DVT, que daria origem à Multistrada 1260 -4T, LC, 8V, Desmo, IE, distribuição variável de abertura vezes válvulas – 1.262 cc e 158 CV, para um peso de 235 kg. Também seria oferecido nas versões S, Pikes Peak e Touring, com preços a partir de 21.450 euros. Obviamente também foi oferecido em versão Enduro para off road.

Esta 1260 já recebe o Ducati Safety Pack de eletrônica, no qual além do IMU, o Cornering ABS ou o controle de tração sensível à inclinação, o Ducati Wheelie Control, a suspensão Ducati Skyhook Suspension (DSS) Evolution, o Vehicle Hold Control e travagem combinada de série – integrada com Cornering ABS.

Para comemorar o 20º aniversário da Ducati Multistrada, foi organizada uma exposição no Museu Ducati

Este ano chegaria também uma nova Multistrada acessível, porta de entrada para a família de trilhas de Bolonha, a Ducati Multistrada 950 – também na versão S a partir de 2019 -. Equipado com a mesma estética e praticamente a mesma parte do chassi, seu motor era um V2 de menor cilindrada, um Testastretta 11º que tinha apenas 937 cc e oferecia 113 cv. Atualmente ainda está à venda como Multistrada V2 e alguns toques estéticos.

E chegamos ao final de 2020, quando chega à venda a atual Ducati Multistrada V4 , uma mudança completa de marcha, preservando as mesmas características estéticas da família, mas equipada com o potente motor Granturismo que abandonou o sistema de distribuição desmodrômico em seu cilindro cabeça. para equipar uma árvore de cames à cabeça dupla DOHC mais comum e convencional. Derivado da Desmosedici Stradale, tem cilindrada de 1.158 cc -4T, LC V4 90º, 16V, DOHC, IE- e oferece 170 CV -para 215 kg de peso.

O chassis é baseado num chassis monocoque de alumínio – adeus multitubular -, equipado com forqueta invertida e monoamortecedor Marzocchi, ambos multi-ajustáveis, – e DSS eletrónico, Ducati Skyhook Suspension, no caso do S -, com jantes de liga leve de 19″. ” e 17”, com discos duplos de freio dianteiro de 320 mm com pinças radiais monobloco Brembo -Stylema e discos de 330 mm no S-. Ele incorpora instrumentação com tela TFT colorida de 5” a 6,5” no S- com conectividade Bluetooth e Phone Mirroring.

O maxitrail mais sofisticado da empresa Borgo Panigale é o MultistradaV4

Incorpora toda a eletrônica de segurança, com plataforma inercial (IMU), partida com chave remota, modos de condução -Sport, Touring, Urban, Enduro-, ABS Cornering, Ducati Wheelie Control (DWC), Ducati Traction Control (DTC) sensível à inclinação e , no V4 S, iluminação full LED, Cornering Lights (DCL), quickshifter e Vehicle Hold Control (VHC). E é lançado um novo gadget, um radar Bosch dianteiro e traseiro que funciona com sistema de controle de cruzeiro automático, Cruise Control Adaptativo (ACC) e Detecção de Ponto Cego (BSD). E no ano passado incorporou redução automática de altura .

A Multistrada V4 Rally é a última novidade, uma trilha off-road preparada para percorrer o mundo, pensando sempre na terra e não no asfalto, mas que a torna a mais versátil da família. Baseado no MTS V4, é equipado com braço oscilante duplo, suspensões de curso mais longo e rodas raiadas com frente de 19″.

Desde o seu lançamento em 2003, mais de 100 mil Multistradas foram vendidas

Para comemorar os 20 anos da Ducati Multistrada, a marca vermelha está organizando uma exposição temporária no Museu Ducati intitulada “Multistrada 20 – Vinte anos de exploração evolutiva”. Todos os modelos Multistrada estão em exposição, desde o primeiro 1000 DS até ao mais recente Multistrada V4 Rally. Esta exposição estará aberta até o início de outubro no mesmo horário do Museu Ducati, de segunda a domingo, das 9h00 às 18h00 e fechada às quartas-feiras.

Tudo parece que a saga Multistrada viverá pelo menos mais 20 anos, sucedendo com sucesso a um ícone da marca, a Ducati Monster , e a Multistrada já é a mais vendida da marca com mais de 100 mil unidades vendidas até agora.

Inscreva-se em nosso Canal no YouTube: The Riders e conheça histórias incríveis do mundo biker!

fonte:https://solomoto.es/la-ducati-multistrada-cumple-20-anos/

Notícias relacionadas

Yamaha MT-03 lidera segmento das naked

Marcelo Nunes

5 Protótipos que estão completando 20 anos, ideias estranhas, algumas com final feliz

Marcelo Nunes

Voge 350AC 2023, uma clássica moderna para todas as ocasiões

Marcelo Nunes

Deixe um comentário