fbpx
The Riders Histories
Mundo SpeedRiders-Speed

Alberto Gomez: “Honda e Yamaha são rivais, mas também coesas”

O 123º episódio de #atuttogas, online no Moto.it e nas principais plataformas de podcast a partir das 9h de domingo, 23 de julho, traz o jornalista espanhol Alberto Gomez, que trabalhou primeiro na Yamaha e depois na Suzuki de 2013 a 2022: o que está acontecendo com os fabricantes japoneses?

Se você olhar os números dos últimos 20 anos, não vê a crise das fabricantes japonesas: entre 2003 e 2022, pilotos Honda, Yamaha e Suzuki conquistaram 18 títulos , contra apenas dois da Ducati (Stoner e Bagnaia). Mas se analisarmos o que aconteceu em 2022 e nas oito primeiras corridas de 2023, tudo muda: Suzuki desistiu no final da temporada passada, enquanto Honda e Yamaha vivem grandes dificuldades . Conversamos sobre isso com Alberto Gomez , um jornalista espanhol que trabalhou primeiro para a Yamaha e depois para a Suzuki de 2013 a 2022.

“Cheguei à Yamaha quando o Valentino Rossi regressou da Ducati: fiquei lá até 2016, depois passei para a Suzuki como responsável de comunicação e marketing, até que o japonês decidiu retirar-se do MotoGP”.

Gomez confirma que ninguém sabia de nada dentro da caixa.

“ Só Livio Suppo soubera de algo na semana anterior a Jerez (quando saiu a notícia, ed ), depois de um encontro em Portugal com o líder do projeto Shinichi Sahara. Ele me disse: “Se prepare porque semana que vem vai ser difícil. Não entendi porque, depois descobri”.

Alberto conhece muito bem o mundo Yamaha: está convencido de que será difícil fazer uma escolha como a da Suzuki .

“Acho que eles não podem ir embora. Seria muito perigoso para o campeonato. Não poderia sobrar um único fabricante japonês: Honda e Yamaha parecem grandes rivais, mas estão sendo criadas colaborações muito fortes entre os fabricantes japoneses “.

No podcast, Alberto Gomez fala da Yamaha em 2013 (“Muito potente, uma estrutura estilo F1, um ambiente muito profissional”), da relação entre Lorenzo e Rossi (“havia muito respeito, o clima dentro da garagem era incrível), até 2015 (“Um ano devastador, não só para a Yamaha, mas para todo o campeonato mundial”), sobre a crise (“A estrutura não mudou com o tempo, enquanto os europeus trocaram de marcha duas, três vezes”).

No podcast, Alberto Gomez faz uma reflexão muito interessante e significativa sobre a mentalidade japonesa: isso e muito mais no 123º episódio de #atuttogas, online no Moto.it e nas principais plataformas de podcast a partir das 9h de domingo, 23 de julho.

Até a próxima semana para um novo episódio de #atuttogas

Inscreva-se em nosso Canal no YouTube: The Riders e conheça histórias incríveis do mundo biker!

fonte: https://www.moto.it/MotoGP/alberto-gomez-honda-e-yamaha-sono-rivali-ma-anche-coese.html

Notícias relacionadas

BMW M 1000 R: A Naked Furiosa

Marcelo Nunes

BMW S 1000 R É ATUALIZADA E HERDA CONCEITOS DA S 1000 RR

Marcelo Nunes

Yamaha celebra 25 anos da YZF-R1 com evento em Mugello

Marcelo Nunes

Deixe um comentário