fbpx
The Riders Histories
Notícias

Awak AK11: Uma mini-moto chinesa por 1300 euros

Awak AK11

A marca chinesa Awak Motor lança a Awak AK11, uma mini-moto urbana que promete competir com ícones da categoria graças ao seu preço acessível e design marcante.

Awak AK11: Uma mini-moto chinesa por 1300 euros

Awak AK11

A estreia na China e o desafio às lendas

Em setembro passado, na 21ª Exposição Internacional de Motociclos da China, a Awak Motor revelou a Awak AK11, uma mini-moto que entra no mercado com um nome que evoca guerras.

Inspiração e Desempenho

Awak AK11

Com um claro apelo às lendárias mini-motos Honda DAX, Grom e Monkey, a Awak AK11 traz consigo um motor monocilíndrico de 125 cc, arrefecido a ar, capaz de gerar 10 cv de potência máxima às 8.000 rpm e 10,5 Nm de binário às 5.500 rpm.

Leia também:

Um pacote leve e ágil

Equipada com um quadro de alumínio e rodas de liga leve de 12″, a AK11 pesa apenas 92 kg, proporcionando uma experiência de condução ágil e divertida para navegar pelo tráfego urbano. Seu assento baixo, a 750 mm do solo, torna-a acessível para várias estaturas.

Recursos modernos e conectividade Awak AK11

Apesar do seu design clássico, a Awak AK11 inclui recursos modernos, como uma forquilha dianteira invertida, monoamortecedor traseiro, painel de instrumentos digital a cores e iluminação Full-LED. Além disso, pode ser conectada à aplicação móvel da marca.

Awak AK11

Acessível e competitiva

Com um preço de 9880 yuan na China (cerca de 1300 euros), a Awak AK11 desafia os padrões da categoria, oferecendo um pacote atraente por um valor acessível. Resta saber se a Bashan Motorcycle Manufacturing Co. planeja exportar este modelo para mercados globais.

Continue navegando no portal The Riders e acelere com a gente!

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades! Moto

Notícias relacionadas

Honda CB 150r 2025: Revolução Urbana

Marcelo Nunes

Por que o Triumph Rocket 3 reina supremo

Marcelo Nunes

Honda CB1000 Hornet, o degrau mais alto

Marcelo Nunes

Deixe um comentário