fbpx
The Riders Histories
Mundo SpeedRiders-Speed

MOTOGP, MARC MÁRQUEZ (DNF): “NÃO CULPO O MARTIN”

Depois de seis títulos mundiais na categoria rainha MOTOGP, 59 vitórias e 2.626 pontos, o tempo de Marc Márquez como piloto HRC na Repsol Honda Team chegou ao fim. O fim de semana do GP de Valência foi uma oportunidade para todos os envolvidos recordarem o tempo que passaram juntos.

MOTOGP, MARC MÁRQUEZ (DNF): “NÃO CULPO O MARTIN PORQUE ELE ESTAVA EM MODO DE ATAQUE”

“Claro que foi um domingo super emocionante, honestamente uma semana super emocionante e em alguns momentos foi difícil conter as emoções.” Disse Marc Márquez.  “Infelizmente, não terminamos a corrida hoje, eu estava a sentir-me muito forte hoje e honestamente acho que um pódio era possível hoje e talvez até mais.

Não foi um erro nosso, e não culpo o Martin porque ele estava em modo de ataque. Acontece quando se está a lutar por um campeonato. Mas o mais importante hoje é recordar todos os momentos incríveis que passei com a HRC e a Repsol Honda Team, serão a equipa da minha vida. Escrevemos uma história incrível juntos e eles tornaram-se muito mais do que apenas a minha equipa, tornaram-se os meus amigos e a minha família. Obrigado por tudo desde 2013, não esquecerei nenhum de vocês.”

Concluiu o #93 que na próxima temporada se transfere para as motos da Gresini Ducati. Mas, sobre isso, Marc Márquez fez saber que não diria uma palavra até à sua última volta na Honda RC213V.

Depois de seis títulos mundiais na categoria rainha, 59 vitórias e 2.626 pontos, o tempo de Marc Márquez como piloto HRC na Repsol Honda Team chegou ao fim. O fim de semana do GP de Valência foi uma oportunidade para todos os envolvidos recordarem o tempo que passaram juntos.

“Claro que foi um domingo super emocionante, honestamente uma semana super emocionante e em alguns momentos foi difícil conter as emoções.” Disse Marc Márquez.  “Infelizmente, não terminamos a corrida hoje, eu estava a sentir-me muito forte hoje e honestamente acho que um pódio era possível hoje e talvez até mais.

Não foi um erro nosso, e não culpo o Martin porque ele estava em modo de ataque. Acontece quando se está a lutar por um campeonato. Mas o mais importante hoje é recordar todos os momentos incríveis que passei com a HRC e a Repsol Honda Team, serão a equipa da minha vida.

Escrevemos uma história incrível juntos e eles tornaram-se muito mais do que apenas a minha equipa, tornaram-se os meus amigos e a minha família. Obrigado por tudo desde 2013, não esquecerei nenhum de vocês.”

Concluiu o #93 que na próxima temporada se transfere para as motos da Gresini Ducati. Mas, sobre isso, Marc Márquez fez saber que não diria uma palavra até à sua última volta na Honda RC213V.

MOTOGP, FRANCO MORBIDELLI (7º.): “LEVO COMIGO MUITAS LEMBRANÇAS DESTES DOIS ANOS E MEIO”

O Grande Prémio da Comunidade Valenciana foi uma corrida emocional para Franco Morbidelli. O italo-brasileiro vice-campeão do mundo em 2020 queria despedir-se da equipa de fábrica da Yamaha da melhor forma possível.

Morbidelli começou a sua última corrida com a equipa Factory Yamaha em P19. Depois das primeiras curvas, ficou em 15º lugar e começou a sua progressão.

A movimentada corrida do GP de Valência teve vários pilotos a caírem. O italiano, no entanto, estava a andar forte: ultrapassou Pol Espargaró e Luca Marini e estabeleceu vários melhores tempos pessoais enquanto se colocava entre os 10 primeiros. Como o líder da corrida Jack Miller também caiu, o homem da Yamaha rodou em nono lugar aproximando-se de Maverick Viñales.

Apesar de ter ficado aquém do esperado, terminando em sétimo, a 0,028s de Alex Marquez e a 0,100s de Raul Fernandez, o italiano foi recebido no box com fortes aplausos da equipa Monster Energy Yamaha MotoGP, que ficou encantada por terminar a sua jornada em conjunto com uma nota alta.

“Um grande regresso do 19º lugar da grelha! Foi uma óptima maneira de terminarmos a nossa jornada juntos. Tivemos muitos altos e baixos, talvez mais baixos do que altos, mas neste segundo ano juntos estivemos muito bem em muitas corridas”. Disse Morbidelli, que acrescentou: “Terminámos todas as corridas, vimos a bandeira axadrezada em todas as Sprint e Race, fomos consistentes, fomos sólidos e estou contente com isso.

E estou feliz por muitas outras coisas que vi e vivi, que vou levar comigo para sempre. Vamos ver o que o futuro nos reserva. Mas estes dois anos e meio foram uma grande lição.”

Concluiu Morbidelli que com 102 pontos terminou a temporada de MotoGP, na 13ª posição do Mundial de Pilotos. 

Leia também:

“Não podíamos estar mais orgulhosos do Franky e do Fabio pela coragem com que ambos correram hoje”, disse o director de equipa Maio Meregalli.  “O Franky partiu de P19, mas a sua sensação com a moto era muito melhor em comparação com ontem, e ele tinha o ritmo. Foi ótimo vê-lo a esforçar-se tanto e a rodar tão bem na M1 pela última vez. Ele esteve muito perto do top 5 no final, mas este sétimo lugar na sua corrida de despedida tem um sabor muito doce.”

Agora segue-se uma nova etapa na carreira do piloto de 28 anos, que se transfere para a Prima Pramac Ducati Racing na temporada de 2024. “No próximo ano quero estar perto do Pecco. Estou realmente ansioso pela Ducati e farei tudo o que puder para me adaptar às novas circunstâncias o mais rápido possível.”

MOTOGP, LUCA MARINI OFICIALIZADO NA HONDA

Luca Marini foi hoje oficializado como piloto da Honda para as próximas duas temporadas, com contrato para 2024 e 2025.

O piloto de 26 anos chega para substituir Marc Márquez, que está de saída para a Gresini, sendo que já conseguiu dois pódios, duas pole positions e quatro pódios sprint na classe principal.

O italiano vai ser colega de equipa de Joan Mir na temporada de 2024.

MOTOGP, VALÊNCIA: TRÊS DUCATI, UMA KTM E UMA APRILIA NO TOP 5

Graças ao primeiro lugar no Grande Prémio de Valência, a dupla italiana de Francesco Bagnaia e do Desmosedici GP da Ducati Lenovo Team conquistou o título mundial de MotoGP pelo segundo ano consecutivo. Mas vejamos os pilotos que mais se destacaram no último Grande Prémio do ano que hoje se disputou no Circuito Ricardo Tormo, perante uma enorme pressão e 93.000 espectadores!

Pecco Bagnaia (Ducati), 1º – 40m 58,535s

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades! Moto

Uma atuação impressionante de Bagnaia num dia em que o caos ocorreu ao seu redor. O agora bicampeão mundial manteve a calma e após erros de Brad Binder e Jack Miller, ambos líderes na corrida, conseguiu segurar Fabio Di Giannantonio, que foi mais rápido nos momentos finais, assegurando mais um brilhante triunfo.

Johann Zarco (Pramac Ducati), 2º – +0,360s

Johann Zarco, Valencia MotoGP, 24 November 2023 // Gold & Goose / Red Bull Content Pool // SI202311243658 // Usage for editorial use only //

O francês fez uma corrida brilhante para terminar a sua passagem pela Ducati. Zarco passou a maior parte do Grande Prémio atrás de Bagnaia e lutou para encontrar uma forma do passar. O seu ritmo era muito forte, mas não foi suficiente para segurar Di Giannantonio, que o ultrapassou na curva quatro. Com a penalização do italiano da Gresini, o francês de 33 anos subiu a segundo na classificação.

Brad Binder (KTM), 3º – +2.347s

Brad Binder, Valencia MotoGP, 24 November 2023 // Gold & Goose / Red Bull Content Pool // SI202311242803 // Usage for editorial use only //

Sem uma vitória nos Grande Prémios durante toda a temporada, o sul-africano colocou-se numa posição privilegiada para mudar isso ao liderar após uma ultrapassagem sobre Bagnaia. Mas o piloto da KTM errou na curva 11 e desperdiçou a oportunidade ao cair para sexto. O sul-africano conseguiu recuperar para o quarto lugar. Com a penalização de Di Giannantonio que desrespeitou a pressão dos pneus, Binder subiu ao pódio no terceiro lugar.

Fabio Di Giannantonio (Gresini Ducati), 4º – +3,176s

Após a sua primeira vitória no MotoGP, Di Giannantonio esteve soberbo ao ter o ritmo de corrida mais forte nas voltas finais. Muito perto de vencer a segunda corrida, Di Giannantonio procurava passar por Bagnaia a cada curva, mas o campeão mundial foi brilhante na defesa. Posteriormente aos festejos no pódio, o italiano foi informado da sua pnealização que o fez descer dois lugares, para quarto.

Raúl Férnandez (RNF Aprilia), 5º – +4.636s

Raul Fernandez (Aprilia, Spain) performs during the MotoGP World Championship in Spielberg, Austria on August 18, 2023. // Joerg Mitter / Red Bull Ring // SI202308180428 // Usage for editorial use only //

No seu melhor resultado desde sempre no MotoGP, Raúl Fernandez mostrou grande ritmo, aliado a incidentes pela frente, para garantir o quinto lugar à frente de Alex Márquez. A melhor forma de amenizar a tremenda confusão que vai na equipa CryptoDATA RNF Aprilia.

Resultados da corrida de MotoGP em Valência

1. Pecco Bagnaia (ITA), Ducati, 27 voltas em 40:48.525 min
2. Johann Zarco (FRA), Ducati, +0,360
3. Brad Binder (AFS), KTM, +2,347
4. Fabio Di Giannantonio* (ITA) , Ducati, +3.176 seg
5. Raúl Fernández (ESP), Aprilia, +4.363
6. Alex Márquez (ESP), Ducati, +4.708
7. Franco Morbidelli (ITA), Yamaha, +4.736
8. Aleix Espargaró (ESP), Aprilia, +8.014
9. Luca Marini (ITA), Ducati, +9.486
10. Maverick Viñales (ESP), Aprilia, +10.556
11. Fabio Quartararo (FRA), Yamaha, +12.001
12. Takaaki Nakagami (JAP), Honda, +21.695
13. Lorenzo Savadori (ITA), Aprilia, +43.297
14. Pol Espargaró (ESP), KTM
– Alex Rins (E), Honda, 19 voltas atrás
– Jack Miller (AUS), KTM, 18 voltas atrás
– Enea Bastianini (I), Ducati, 9 voltas atrás
– Augusto Fernández (E), KTM, 9 voltas atrás
– Marc Márquez (E), Honda, 5 voltas atrás
– Jorge Martin (E), Ducati, 5 voltas atrás
– Marco Bezzecchi (I ), Ducati, primeira volta não concluída

*= penalidade de 3 segundos (infração à pressão dos pneus)

Notícias relacionadas

BMW S 1000 XR 2024: Potência e Conforto

Marcelo Nunes

Triumph Daytona 660: A Nova Geração de Esportivas

Marcelo Nunes

Triumph Thruxton 400: O Desafio à Royal Enfield

Marcelo Nunes

Deixe um comentário