fbpx
The Riders Histories
Notícias

O primeiro teste da Honda CB 300F Twister 2023

O MOTOO rodou com o lançamento que traz mais potência e economia. Veja as primeiras impressões sobre a rival da Yamaha Fazer FZ25

Esqueça a Honda Twister 250 de 20 anos atrás. Aproveite e esqueça também a CB 300R. Porque o que você vai conhecer é a CB 300F Twister 2023, uma evolução da mais recente CB 250F Twister, lançada em 2015. Na verdade, mais do que uma evolução, porque é praticamente uma moto totalmente nova

Motor mais potentesuspensão com curso maiorpneu traseiro mais largo são apenas alguns dos itens que se destacam nesta nova 300. Antes de montar na moto, deixa eu explicar um pouco dessa coisa de 250 que virou 300, depois voltou pra 250 e agora virou 300 novamente. Confuso, mas explicável!

Problemas na Twister?

Em 2001 a Honda lançou a Twister e a Tornado 250, com motor quatro tempos derivado das motos de enduro, com cabeçote de duplo comando e carburador. Em 2008 uma nova determinação de emissões de poluentes forçou a Honda a instalar injeção eletrônica e um escapamento mais restritivo. Se mantivesse o motor 250 isso representaria perda de potência, então aumentou a capacidade volumétrica para 300, com câmbio de cinco marchas, mas isso não fez muito bem pra um tipo de usuário e surgiram problemas em algumas unidades.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Em 2015 veio a Honda CB 250F Twister, com um projeto de motor totalmente novo, já nascido com injeção eletrônica, potência maior, câmbio de seis marchas e mais econômica. E agora, pegando carona na tendência mundial de 300cc a Twister subiu um patamar e nasceu a CB 300F Twister, para concorrer com os produtos da mesma medida de motor que começam a aparecer por aqui.

Portanto, é uma nova 300 que nada tem a ver com a “velha” CB 300R e que ficou mais forte, mais econômica e confortável.

Uma mini-CB500F

A primeira coisa que chama atenção é a semelhança com a CB 500F. São tão parecidas que dá mesmo pra confundir. O desenho do tanque (na verdade, uma capa sobre o tanque), o bocal da gasolina, as aletas e até a chave fora do painel lembram demais as 500. E não foi casual, a ideia foi aproximar os modelos da família “F”. Assim, cria-se uma identidade para as pessoas já saberem que é uma Honda street.

Mas é uma moto leve (139 kg, 2 kg a mais que a 250), baixa (789 mm) e estreita. Muito fácil de encaixar mesmo em motociclistas de baixa estatura. O banco é bipartido, o que segue uma tendência, para dar um aspecto mais esportivo. Na prática o banco de uma peça só é mais adequado para levar garupa. Mas o alvo é a Yamaha Fazer FZ25, que também segue a receita do banco em duas peças.

Um dos itens que agradou de cara é o novo guidão, de aço com acabamento fosco, largo e agradável de pilotar. A posição de pilotagem segue o padrão “pé pra trás, barriga no tanque e tronco pra frente”. Ao contrário do que se pensa, é mais confortável do que a postura de motos custom.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Ainda nos detalhes, agora a chave está na capa do tanque, logo acima do bocal. Há quem ame essa solução, mas eu mesmo não gosto muito, prefiro no painel. E já que mencionei o painel, agora ele segue o padrão da CB 500 e CB 650, com tela escura, muitas informações, consumo médio e instantâneo, tempo de viagem, autonomia, entre outros. A buzina e a seta são invertidas como nas pequenas 160cc da marca. 

Chassi, suspensões e pneus

Muito da Twister 250F foi preservado, como o quadro de dupla trave, tipo Diamond, quando o motor é parte integrante do chassi. Mas as suspensões são totalmente novas. Na frente é a mesma antes usada na CB 500F (sem regulagem), com tubos de 41 mm de diâmetro e curso de 130mm. Na traseira continua o sistema monoamortecido, com duas molas separadas e curso de 120 mm (bem mais do que na 250F). 

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Novos também são os pneus. Agora os muito bem aderentes Pirelli Rosso III, eficientes no seco e (felizmente) muito seguros no molhado. Na frente foi mantida a medida 110/70-17 e na traseira passou para 150/60-17. As rodas de liga leve parecem com as da antiga Twister, mas são novas.

O novo motor da CB 300F

O grande trabalho foi no motor. Tendo a base da 250F esse motor arrefecido a ar foi aumentado de 249,5 para 296,5 cc. O aumento foi no diâmetro do pistão, que passou de 71 para 77 mm, mas manteve o curso de 63 mm. O objetivo foi ganhar mais torque em relação à potência. A potência máxima (com etanol) passou de 22,6 cv a 7.500 rpm para 24,7 cv nas mesmas 7.500 rpm. Já no torque o ganho foi de 15,5% subindo para 2,6 kgmf a 5.500 rpm, o que dá uma ampla faixa útil de 2.000 rpm.

Para compensar o aumento de potência o radiador de óleo foi aumentado. Aqui cabe uma ressalva: apesar de ter o trocador de calor de óleo, o motor é classificado como arrefecido a ar e não ar+óleo. Quando um motor é arrefecido a ar+óleo o óleo passa pelos dutos internos do cilindro, depois circula pelo radiador e finalmente retorna para o cárter. No caso da Twister 300F o óleo sai do cárter, circula pelo motor, volta pro cárter; depois passa pelo radiador, retorna pro cárter e completa o ciclo. Claro que o óleo arrefecido mantém as características por mais tempo e contribuiu para manter o motor em temperatura mais baixa, mas são sistemas diferentes.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

E, por favor, não comparem motores de tecnologias diferentes só porque têm a mesma capacidade volumétrica (cilindrada). Pela enésima vez: cilindrada não é potência, mas apenas uma medida. Aliás, nem existe esse termo “cilindrada”, que foi criado apenas para facilitar o entendimento. O termo correto é capacidade volumétrica ou, desculpe o palavrão, cubicagem. Portanto, um motor com 300cc, dois cilindros, taxa de compressão nas alturas e arrefecido a líquido sempre será mais potente do que um monocilindro arrefecido a ar. Punto e basta.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Nunca dei muita importância para as cores das motos, mas adoro o vermelho da Honda. É esportivo, lembra CBR e, como se diz no nordeste: “é encarnada”. Deve ser por causa do abajur cor de carne da menina veneno! Foi na Twister 300 vermelha que segui o comboio de teste pelas estradas que cortam a região do vale do Paraíba, conhecida desde o período cretáceo como sendo o maior índice pluviométrico do estado de São Paulo.

Barulho na corrente?

Desde que publicamos a primeira foto da CB 300F Twister nas redes sociais eu leio os mesmos comentários sobre os velhos problemas da Twister de 21 anos atrás. Um deles o tal barulho de corrente. Fala sério, cara pálida, você acha sincera e honestamente que esse “problema” vai persistir por duas décadas? Pra começar é uma questão de escolha. Pode-se usar uma corrente fina, silenciosa e que dura menos, ou uma que dura mais, porém mais barulhenta. 

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Para felicidade de todos, não, não faz barulho. E olha que andamos em um grupo de sete jornalistas e não escutei a “cascavel” que mora nas correntes das velhas Twister. Cabe reforçar que as motos modernas ficaram muito silenciosas, tanto no funcionamento do motor, quanto na emissão do escapamento. Por isso ruídos que antes passavam batidos hoje são percebidos. Tanto que ouvi mais o ruído dos pneus do que da corrente. O que ajuda bastante a reduzir esse ruído é manter a corrente ajustada e lubrificada.

Como anda a CB 300F?

Logo nos primeiros quilômetros senti que a nova embreagem deslizante e assistida não é só um detalhe de ficha técnica. Tanto embreagem quanto o câmbio tem acionamento suave e preciso. O “deslizante” fica por conta de um detalhe que impede que a roda traseira trave nas desacelerações.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Quando entramos em uma rodovia fui buscar a informação valiosa para quem viaja. Rodando em sexta marcha a 100 km/h o conta-giros revela 6.000 rpm. Quando chegamos a 120 km/h a rotação foi de 7.250 rpm, quase a rotação de potência máxima. Essa característica deixa a viagem mais confortável e mostra a importância da sexta marcha que é praticamente uma “overdrive”. Já as duas primeiras marchas são bem curtas.

Outro teste foi deixar o motor cair de rotação até a marcha lenta em sexta marcha e virar o acelerador de uma vez. O motor reclama no começo, mas sobe de giro, o que confirma o ganho de torque com o maior diâmetro do pistão. Só incomodou um pouco a visualização do conta-giros, porque além de pequeno as escalas são a cada 2.000 rpm e isso dificulta um pouco para quem – como eu – gosta de usar o tacômetro como ferramenta de pilotagem.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Pegamos uma estrada sinuosa e foi possível curtir bem sem precisar ficar trocando de marcha o tempo todo, mesmo na subida, reflexo do motor mais “torcudo”. Também tivemos a chance de avaliar os pneus. Nem precisei de muitas curvas porque esse Rosso III já é meu velho conhecido. Pode-se inclinar sem piedade das pedaleiras que pagam o preço de um limite muito maior do que conseguimos chegar. Mas o melhor veio na volta.

ABS ou CBS? 

A região que compreende Guararema, Salesópolis, Paraibuna, Mogi das Cruzes, Suzano etc é conhecida como o “cinturão verde” de São Paulo. Foi nesta área que os migrantes japoneses se estabeleceram para criar uma enorme produção de hortaliças, folhas e frutas que você come diariamente. E eles escolheram porque é uma região que chove muito. CQD: como quisemos demonstrar.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Paramos para almoçar em uma fazenda e observar alguns detalhes. A Twister 300F vem com tomada USB para alimentar celular, intercomunicador ou GPS. As versões oferecidas são CBS, com freios combinados e ABS, única disponível para teste. As cores são o vermelho maravilhoso, o dourado da moda e o preto fosco “esqueça de mim”. Sei que essa é uma discussão que daria um livro, mas ABS em motos pequenas não é tão vital como acreditam. O freio combinado funciona muito bem e ainda corrige uma deformação de pilotagem da média dos motociclistas brasileiros que não usam o freio dianteiro nem por reza brava.

Oi dilúvio

Depois do almoço começaram a cair aqueles pingos de chuva que são arauto de um grande apocalipse. Pegamos a estrada e o céu caiu sobre nossas cabeças. Pensa que o guia diminuiu a velocidade? Mantivemos (todos) o limite de 100 a 120 km/h e tivemos a chance de comprovar a eficiência do Pirelli Rosso III no molhado. Muito molhado. Cheguei mesmo a pegar partes mais sujas da estrada e a moto se manteve firme, bem mais que meu coração.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Já de volta ao hotel e seu lobby imaculadamente limpo até aquele momento, comecei a analisar o que mais gostei nesta Twister vitaminada. O nível de vibração é mais sentido em marcha lenta ou acelerando com a moto desengatada, mas rodando até 6.000 rpm o motor é “liso” e muito silencioso. A posição de pilotagem para quem está conduzindo serviu como uma luva para meus 1,68 m e 70 kg. Já não dá pra dizer que o passageiro tem vida boa, porque o banco bipartido sacrifica quem vai na garupa.

Conclusão

É uma moto que atende o uso urbano, mas aceita viagens sem sofrimento e com boa autonomia. Pelo computador de bordo eu fiz 36,9 km/litro de média de consumo sem me preocupar, até porque não fui eu que paguei a gasolina do tanque. Aliás, o tanque da 300 tem dois litros menos do que a da 250, porém a autonomia é a mesma porque o consumo melhorou. É possível aumentar o motor e reduzir o consumo? Sim, basta dar mais torque para o piloto girar menos o acelerador. Lembre: injeção eletrônica corrige tudo!

Já a velocidade máxima eu mesmo não medi porque na estrada seria arriscado, mas segundo o Instituto Mauá, com seus “ímetros, ômetros e ógrafos”, fez uma série de medições para apresentar um consumo médio de 39 km/litro com gasolina e a velocidade máxima foi de 139,7 km/h. Apesar de o motor ser flex, só se justifica o uso de etanol e motos por questões ambientais.

Honda CB 300F Twister 2023Imagem: Honda

Por fim, esta 300 conta com toda iluminação por LEDs, tem a garantia de três longos anos. Em 2022 foram comercializadas 42.700 Twister (média de 3.560/mês). Os preços anunciados em fins de janeiro são de R$ 18.900 para versão CBS e R$ 19.800 na ABS, mas duvido que alguém consiga comprar nestes valores!   

VEJA O PREÇO DA TWISTER 300 na Tabela Fipe

FICHA TÉCNICA – Honda CB 300F 2023
PREÇO R$ 18.900 (CBS) e R$ 19.800 (ABS)
MOTOR1 cilindro, 293,5 cc
ALIMENTAÇÃOInjeção eletrônica
COMBUSTÍVELFlex (gasolina ou etanol)
POTÊNCIA ETANOL24,7 cavalos a 7.500 rpm
POTÊNCIA GASOLINA 24,5 cavalos a 7.500 rpm
TORQUE ETANOL2,60 kgfm a 5.500 rpm
TORQUE GASOLINA2,61 kgfm a 5.500 rpm
CONSUMONão informado
DIÂMETRO x CURSO77,0 x 63,0 mm
CÂMBIO6 marchas
COMPRIMENTO2.084 mm
LARGURA755 mm
ALTURA1.075 mm
ENTRE-EIXOS1.390 mm
DISTÂNCIA DO SOLO177 mm
ALTURA DO ASSENTO789 mm
PESO139 kg (peso seco)
TANQUE14,1 litros
FREIOSABS
FREIO DIANTEIRODisco de 276 mm

Fonte:https://www.motoo.com.br/honda-twister-300-cb300f-2023-teste-impressoes-barulho-corrente/

Inscreva-se em nosso Canal no YouTube: The Riders e conheça histórias incríveis do mundo biker!

Notícias relacionadas

BMW linha 2024: Com recurso de chamada de emergência

Marcelo Nunes

XRE 300 saudade? Calma, a Honda Sahara 300 chegou!

Marcelo Nunes

Honda Gold Wing Tour DCT 2024 ganha novas cores

Marcelo Nunes

Deixe um comentário