fbpx
The Riders Histories
Mundo SpeedRiders-Speed

PEDRO ACOSTA CAMPEÃO DO MUNDO: MOTO2, MALÁSIA

O primeiro título mundial de 2023 foi este domingo entregue a Pedro Acosta em Sepang, a duas jornadas do final do campeonato do mundo de Moto2. No final, os festejos do ‘Tubarão de Mazzarrón’ quase abafaram o triunfo de Fermín Aldeguer no GP da Malásia.

Pedro Acosta é Campeão do Mundo de Moto2. O seu rival, o italiano Tony Arbolino, claudicou, o jovem de 18 anos Aldeguer festejou o triunfo e Acosta terminou em segundo lugar o GP da Malásia , resultado mais que suficiente para levar o seu segundo título mundial para casa.

Filme da corrida

As condições eram ótimas, sol, nuvens e, sim, uma temperatura agradável de graus no ar e 45 no asfalto. Arón Canet, já sabia antes de partir que teria uma penalização para  passar pela área de ‘Long Lap’ devido ao seu incidente no Q2, quando caiu sob bandeiras amarelas.

Leia também:

Na partida aconteceu um milagre. Manu González e Aldeguer tocaram-se na primeira curva e o madrileno caiu. O piloto da VR46 Yamaha ficou no meio da pista com o restante das motos a passarem por ele. ninguém tocou nele, felizmente!

Isso fez com que Fermín fosse ainda mais longe, com Acosta em segundo e Ramírez em terceiro . Arbolino ficou em sétimo, atrás de Ogura e pouco depois o italiano teve um incidente. Arbolino tentou ultrapassar Canet e colidiu com Arón e Ogura. O italiano controlou tudo, mas teve que travar e caiu muitas posições, ficando na zona fora dos pontos, no 25º lugar. Enquanto isso, as opções de Acosta ficaram ainda mais fáceis. Tulovic, Vietti e Guevara cairam. A ameaça a Aldeguer estava na Direção de Prova, já que foi aberta uma investigação pelo seu incidente com ‘Manugas’ no início, mas não foi sancionado.

Canet cumpriu pênalti e caiu para 14º, no grupo com Alcoba e Arenas. No topo tudo estava estabilizado, com Fermín longe, Acosta, segundo e com distância de Ramírez que também abriu vantagem em relação a Alonso López e Ogura. Sergio García sofreu um acidente na curva 9 quando  lutava para entrar no ‘top 10’. Kota Nozane também beijou o asfalto naquele momento. Canet não conseguiu reagir, pois caiu na curva 2 ao tentar ultrapassar Alcoba.

Todos estes incidentes fizeram com que Arbolino já estivesse em 15º a meio da corrida, mas Pedro Acosta estava sólido no segundo lugar.

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades!

A luta foi então pela quarta posição: Alonso López foi atacado por Ogura e Dixon, o  japonês ultrapassou o espanhol na última curva e não demorou muito para sair da SpeedUp. Isso colocou em risco o pódio de Ramírez, já que Ogura era mais rápido que Marcos, que buscava o primeiro lugar na categoria, pois a sua melhor posição era a sexta.

No grupo da frente Pedro Acosta não se  preocupou em tentar alcançar o seu compatriota Fermin Aldeguer que voava na liderança, contentando-se em ser segundo e ditando o seu ritmo sólido. Nova lição de maturidade sabendo quão importante era o título. A duas voltas do final, Ogura já estava próximo de Ramírez , que tentava cobrir todas as lacunas possíveis. Alonso López cedeu a Dixon e Chantra.

Aldeguer venceu por fuga. Que estado de forma. Triunfo e ‘Grand Chelem’: pole, volta mais rápida e liderança em todas as voltas. Depois dele veio Acosta, campeão merecido. Ramírez trabalhou pelo pódio e conseguiu . Marcos seguro o japonês para terminar em posição de honra. Tripla espanhol brutal no pódio. Pedro com 19 anos comemorou um pódio especial depois de colocou o ‘1’ na sua moto. Todos lhe deram os parabéns, inclusivé o compatriota Aldeguer, 19 anos também, autor de uma fantástica vitória.

MOTOGP, MIGUEL OLIVEIRA (18.º): “NÃO VEJO A MOTO FORTE EM NENHUM DOS PONTOS”

Miguel Oliveira sentiu dificuldades na qualificação e na corrida sprint do Grande Prémio da Malásia, prevendo mais do mesmo na corrida principal. O português, 18.º na prova mais curta, explica as dificuldades que sente na sua moto.

“Falta de ritmo, numa volta perfeita, estamos a meio segundo do ritmo da frente, não deixa grande margem para podermos andar para a frente. Criar situações de ultrapassagem é super difícil, saímos muito lentos das curvas mais lentas, não conseguimos preparar bem e travar super tarde, perdemos nas retas. Metemos o pneu dianteiro em muito stress porque temos de parar muito a mota porque temos de compensar nas travagens, não vejo a mota forte em nenhum dos pontos. Amanhã vai ser uma corrida difícil”, disse, em declarações à Sport TV.

MOTOGP, ENEA BASTIANINI (4.º): “DECIDI NÃO ULTRAPASSAR O PECCO, PARA MIM NÃO MUDA NADA”

Enea Bastianini teve ontem provavelmente o seu melhor dia da época, com um terceiro lugar em qualificação e um quarto posto na corrida sprint. O italiano revelou que optou por não ultrapassar o colega de equipa Francesco Bagnaia, uma vez que este está a lutar pelo campeonato.

“Foi provavelmente o melhor dia da época, depois de uma época difícil. Estou satisfeito, trabalhei muito ontem para ser competitivo hoje, vi muitos dados em casa e aqui, também testei coisas diferentes na moto ontem. Consegui a primeira linha pela primeira vez esta época e o quarto lugar no sprint é bom para nós. Quando olho para os dados, a maior diferença para os outros pilotos é a dos travões traseiros e decidi alterar isso. Foi bom, não é fácil usar, sobretudo no arranque, mas hoje usei de forma correta e é melhor, estou feliz por isso”, disse.

“Um dos principais problemas de hoje era o pneu da frente, era difícil quando estava atrás de outros pilotos, e, quando não tinha ninguém à frente, era fácil ter mais ritmo. Quando estava atrás do Pecco, tive estes movimentos, mas decidi não o ultrapassar porque não estou a lutar pelo campeonato. Era um risco tentar ultrapassá-lo e para mim não muda nada. O Pecco ajudou-me de manhã, fiz algumas voltas atrás dele”, referiu.

MOTO3, MALÁSIA, CORRIDA: VEIJER ESTREIA-SE A VENCER, SASAKI A 13 PONTOS DE MASIA

Collin Veijer (Liqui Moly Husqvarna Intact GP) foi o vencedor do Grande Prémio da Malásia de Moto3. O neerlandês cumpriu a distância em 33:30.072 minutos, batendo Ayumu Sasaki (Liqui Moly Husqvarna Intact GP) por 66 milésimos, com Jaume Masia (Leopard Racing) em terceiro, a 328 milésimos.

Trata-se da primeira vitória de Veijer no Mundial de velocidade, num ano em que o neerlandês já tem tido algumas prestações assinaláveis, mas ainda não tinha conseguido estrear-se a vencer. Veijer quebrou esse enguiço em Sepang, batendo os dois primeiros do campeonato, tendo sido também importante durante a corrida para ajudar Sasaki a conter Masia. Contudo, no final, Veijer não quis saber de hipotéticas ordens de equipa, fazendo aquilo que precisava para vencer.

Sasaki terminou, ainda assim, à frente de Masia, estando a 13 pontos do piloto espanhol quando já só faltam duas corridas para o final da época, no Qatar e em Valência. Os outros dois candidatos ao título, David Alonso e Daniel Holgado, despediram-se hoje dessa possibilidade, depois de o colombiano, que tentava recuperar depois de uma má qualificação, ter caído sozinho, levando à queda de Holgado, que seguia logo atrás, tal como de Diogo Moreira e Riccardo Rossi.

Leia também:

Ivan Ortolá terminou no quarto lugar, à frente de David Muñoz, em quinto. Adrián Fernández concluiu na sexta posição, com Xavier Artigas em sétimo e Joel Kelso em oitavo. Filippo Farioli e Ryusei Yamanaka fecharam o top-10, à frente de Matteo Bertelle e Deniz Öncü, que estiveram no grupo da frente até ao final, mas viram-se envolvidos num incidente com José Antonio Rueda que os atrasou.

MOTOGP, PAOLO CIABATTI: “MARTÍN NA DUCATI? É UMA REALIDADE QUE DEVEMOS CONSIDERAR”

As performances de Jorge Martín em 2023 têm sido assinaláveis, com os responsáveis da Ducati a não terem como ignorar. O diretor desportivo Paolo Ciabatti falou sobre essa possibilidade, embora tenha recordado que a equipa já confirmou Enea Bastianini para 2024.

“Como toda a gente sabe, confirmámos o Enea para a equipa oficial no final de agosto. É verdade que, com o nível de performance do Martín, é uma realidade que devemos considerar, não tomámos uma decisão, mas vamos ver. Não podemos ignorar este nível de performance”, disse.

MOTOGP, MALÁSIA, WARM UP: QUARTARARO MAIS RÁPIDO ANTES DA CORRIDA

Fabio Quartararo (Yamaha) foi o piloto mais rápido do warm up do Grande Prémio da Malásia de MotoGP. O francês fez a sua melhor volta em 1:59.218 minutos, batendo Brad Binder (KTM) por 25 milésimos, com Enea Bastianini (Ducati) em terceiro, a 104 milésimos.

O francês teve o sprint de ontem completamente estragado pelo arranque, uma vez que partia do oitavo lugar e perdeu muitas posições nos instantes iniciais, terminando apenas no 16.º posto. Nesta curta sessão de dez minutos, El Diablo fez o tempo mais rápido, batendo Binder e Bastianini, que terminaram o sprint de ontem perto dos lugares de pódio.

Álex Márquez, vencedor do sprint de ontem, terminou esta sessão em quarto, a 134 milésimos de Quartararo, com Aleix Espargaró em quinto e o campeão Francesco Bagnaia em sexto. O campeão do mundo, que não teve o ritmo que esperava no sprint de ontem, terminou a 352 milésimos de Quartararo, sendo que Jorge Martín foi 16.º neste warm up. Franco Morbidelli, Jack Miller, Johann Zarco e Pol Espargaró completam o top-10. Destaque ainda para a queda de Marco Bezzecchi nos instantes finais.

Quanto a Miguel Oliveira, o luso foi 15.º nesta sessão, fazendo a sua melhor volta em 2:00.073 minutos, a 855 milésimos de Quartararo (curiosamente, terminou exatamente com o mesmo tempo de Martín). O luso teve ontem um dia bastante complicado, tendo dificuldades em praticamente todos os aspetos da moto, prevendo mais um dia complicado para hoje.

A corrida de MotoGP tem início agendado para as 7 horas.

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades!

PEDRO ACOSTA PEDRO ACOSTA PEDRO ACOSTA

Notícias relacionadas

Triumph Daytona 660 e suas Rivais: O Mundo das Médias

Marcelo Nunes

MOTOGP, MARC MÁRQUEZ: “PRECISAMOS DE MANTER A CALMA QUE TEMOS TIDO”

Marcelo Nunes

BMW M 1000 R: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER

Marcelo Nunes

Deixe um comentário