fbpx
The Riders Histories
Mundo SpeedRiders-Speed

TESTE Kawasaki Ninja ZX-4RR: a 15.000 rpm tudo fica mais bonito

Testamos o Kawasaki Ninja ZX-4RR, o carro esportivo de quatro cilindros e pequena cilindrada que atinge até 15.000 rpm e além. A espera foi longa, mas valeu a pena. Veja como foi nosso teste de pista

Esperar aumenta o desejo: neste caso não há provérbio mais adequado. Há muito tempo que falamos da nova entrada de quatro cilindros na gama 400 da Kawasaki e se analisarmos um pouco o mercado, é uma óptima notícia para o segmento . Quatro cilindros, mais de 15 mil rpm e uma cavalaria que “rasga” sua irmã Ninja 400, a bicilíndrica. 

Explorar novos terrenos, lançar-se num projeto que está longe de ser simples na sua implementação . Este é o desafio que a Kawasaki se propôs: fazer brilhar novamente um segmento de mercado, mas sobretudo uma arquitectura de motor que, na Europa, foi desaparecendo lentamente. Seja por causa da poluição ou porque o conceito de motocicleta mudou um pouco, há muito tempo não se ouvia falar de um carro esportivo de quatro cilindros de pequena cilindrada. 

E é justamente aqui que surgirá uma bela lembrança para os mais nostálgicos,  a da ZXR 400 . Porém, é fundamental entender bem esse conceito antes de mergulhar no teste: ambos são 4 cilindros, ambos são 400, mas possuem dois estilos e dois conceitos completamente diferentes .

O grande protagonista: o motor

Não poderíamos começar com nenhum outro componente além do motor . Para este “pequeno” supersport, a Kawasaki decidiu entrar diretamente num segmento de mercado inexplorado para esta cilindrada específica: o de quatro cilindros. Na verdade, ele é movido por um motor de quatro cilindros em linha capaz de desenvolver 77 cavalos de potência (até 80 com a caixa de ar sob pressão) a 14.500 rpm e 39 Nm de torque máximo a 13.000 rpm .

Resumindo, por esses dados já entendemos o espírito desse Ninja, ele gosta de cantar , tanto que o limitador vai acima de 15.000 rpm, quase 16.000 para ser mais preciso.

Com a Ninja ZX-4RR a Kawasaki decidiu adoptar um quadro de treliça de aço  que foi completamente revisto em termos de rigidez e flexibilidade para encontrar o melhor equilíbrio entre a utilização na pista e na estrada. Até a forqueta segue a mesma filosofia: a ZX-4RR está equipada com um SFF-BP (Separate Front Fork Big Piston) invertido de 37 mm – que inclui uma pré-carga de mola ajustável – e que promete ser o compromisso certo entre esportividade e conforto . O garfo funciona em conjunto com um amortecedor Horizontal Back-Link , com desempenho progressivo.

Na frente, a Ninja ZX-4RR é freada por um par de pinças de montagem radial que prendem dois discos de 290 mm. Atrás de um disco clássico de 220 mm e uma pinça de pistão único. O ABS está presente, obrigatório por lei, e não pode ser ativado ou desativado através dos instrumentos.

A Ninja ZX-4RR é equipada com pneu 120/70 na frente em aro de 17 polegadas e 160/60 na traseira , novamente em aro de 17 polegadas. A distância do selim ao solo é de 800 milímetros e o peso é de 189 kg , incluindo o tanque de 15 litros e os diversos fluidos do motor.

Equipamento e preço

Apesar da “pequena” cilindrada, a Kawasaki decidiu equipar a nova entrada de quatro cilindros com um pacote eletrônico muito respeitável. Utilizando o painel TFT colorido de 4,3 polegadas e os blocos de controle podemos definir o mapa de motor preferido entre Sport, Road, Wet e Rider:  o mapa pode ser totalmente personalizado de acordo com o gosto do piloto. No Rider podemos de facto ajustar a potência entregue pela Ninja ZX-4RR ao nosso gosto entre Low e Full, valores que não podem ser modificados nos outros três mapas, como o KTC (Kawasaki Traction Control) que pode ser definido em três níveis e também pode ser desativado .

A Ninja ZX-4RR está equipada com uma  caixa de velocidades quickshifter bidirecional que torna a condução – já podemos contar algumas das nossas sensações – muito emocionante e agradável.

Faróis Full LED no estilo típico da série ZX, a cor inspirada na irmã mais velha do SBK e um visual agressivo completam o equipamento técnico da Ninja ZX-4RR. O preço? 9.690 euros.

Agora finalmente chegamos ao ponto: como você dirige este pequeno quatro cilindros?

Como vão as coisas

E era tanto, talvez demais , que eles não conseguiam ver. Em parte pelas dificuldades relacionadas com a homologação e em parte porque sabemos, o quatro cilindros deveria ser feito para cantar por diversão. As expectativas em relação a este modelo específico eram – e ainda são – muito altas, muitos vão se lembrar da lendária ZXR 400, mas como falamos na introdução, a nova ZX-4RR não tem nada a ver com isso, é uma motocicleta para si mesmo.

Mas então o que é isso? É uma superesportiva, com caráter e personalidade únicos , uma moto com personalidade, daquelas que transmite emoções para você. Uma daquelas bicicletas que você não compra lendo a ficha técnica e parando nos dados simples, mas uma daquelas pelas quais você já se apaixonou, deixando de lado as características técnicas. 

Nossas sensações na pista

Vamos começar pela posição de pilotagem. A Ninja ZX-4RR deixa-nos imediatamente à vontade, tem uma posição ligeiramente carregada na dianteira , apenas o suficiente para transmitir uma certa confiança numa condução um pouco mais despreocupada, mas também para permitir uma condução mais descontraída no clássico trajeto para casa. .

Na pista é possível perceber o estudo e a atenção que a Kawasaki investiu no desenvolvimento do chassi, o compromisso entre rigidez e flexibilidade é certeiro e torna a pilotagem esportiva muito agradável. É possível fazer alguns ajustes nas suspensões – o que não fizemos – que, aliados a um pneu com melhor desempenho no setor de pista (durante o teste os Ninjas estavam equipados com Pirelli Diablo Rosso III, pneus puramente de estrada) podem levar a grande satisfação no contra-relógio em mãos.

O motor é emocionante, o grito do 4 cilindros às 15.000 rpm é viciante e dá aquele sorriso clássico debaixo do capacete que todos conhecemos. É preciso ter cuidado ao usar as marchas, o motor empurra muito alto mas falha em baixas rotações, o problema começa a ficar interessante por volta das 10.000 rpm, quando a mágica acontece.

O quickshifter funciona bem, é preciso ser decisivo na hora de engatar e reduzir as marchas, caso contrário pode dar alguns sinais de incerteza, talvez pela baixa quilometragem das motos.

Os freios são ajustáveis, é preciso se deixar levar um pouco pelo ABS, às vezes um pouco invasivo para o uso extremo na pista. Porém, o problema pode ser facilmente resolvido se você virar entre as zebras: os técnicos da Kawasaki cuidaram dos Ninjas e desativaram o ABS em pouquíssimo tempo. O resultado? Maior poder de travagem e melhor sensação geral, um passo a dar se procura travar um pouco mais no limite, e NÃO a fazer se conduzir em estrada.

Resumindo, top ou flop?

Entrar de cabeça num mercado que já desapareceu há anos, refazer um caminho agora abandonado por muitos – na verdade, por todos – é um gesto de coragem . Apreciamos muito a desenvoltura que a Kawasaki demonstrou com a Ninja ZX-4RR, que deve ser recompensada. Em particular, este 400 desperta aquela paixão visceral pela moto, aquela ligada ao motor, ao som. Aquela paixão que, com as inúmeras limitações e as mudanças do mercado, permaneceu adormecida.

Para tornar esta pequena 400 ainda mais única, a Kawasaki terá certamente pensado na opção de torná-la mais agressiva, com uma posição mais ofensiva, mais orientada para a pista. Compreendemos a escolha técnica e também compreendemos que ao fazê-lo talvez se tornasse menos agradável uma condução descontraída.

Pode não ser o mais eficaz no geral, mas é um prazer apertá-lo até as últimas voltas. Isso faz com que todos sejam crianças novamente.

Prós e contras na pista

Pró

  • Motor
  • Prazer de dirigir
  • Estética

Contra

  • ABS invasivo
  • Habitabilidade

Notícias relacionadas

Revisão do primeiro passeio do Kramer GP2 890RR 2024

Marcelo Nunes

Brasileiros fazem testes na reta final da pré-temporada para o Mundial de Superbike

Marcelo Nunes

Veja essas Aprilia edição limitada exclusivas para o mercado norte-americano

Marcelo Nunes

Deixe um comentário