fbpx
The Riders Histories
Curiosidades

Você vai ver a verdade por traz da cor verde da Kawasaki Racing 

cor verde da Kawasaki

A verdade sobre a escolha da cor verde da Kawasaki Racing, de uma cor amaldiçoada à alma de uma marca de motocicletas.

A cor verde da Kawasaki Racing 

RESUMO

  • Acredita-se que os veículos verdes são considerados azarados e perigosos no mundo das corridas devido a uma superstição que se originou na NASCAR e mais tarde se espalhou para as corridas de motocicletas nos anos 80.
  • As motocicletas Kawasaki são pintadas principalmente de verde limão como forma de desafiar a superstição e se destacar da concorrência, com o objetivo de vencer corridas aos domingos e atrair compradores às segundas-feiras.
  • Ao contrário da crença popular, o verde é, na verdade, uma cor mais segura para motocicletas, pois aumenta a visibilidade dos motoristas e pode ajudar a prevenir acidentes. Cores brilhantes como o verde limão são recomendadas para equipamentos de pilotagem para aumentar a segurança.

Desafiando o Azar: Por que as Motocicletas Kawasaki São Verdes?


Motociclistas e Superstições: A Dança entre o Azar e a Sorte

Sim, os motociclistas formam um grupo supersticioso. Em seu mundo, há uma série de superstições, algumas com origens locais e outras internacionalmente reconhecidas. Desde pendurar sinos da guarda em suas Harley-Davidson até o uso de cuecas velhas nos dias de corrida, cada motociclista tem suas próprias tradições de boa sorte.

Neste universo peculiar, até mesmo a menção de acidentes no dia da viagem é evitada para afastar o azar. Vamos explorar esse fascinante mundo de superstições entre os motociclistas.

Desafiando o Azar: A História do Verde nas Motocicletas Kawasaki

A superstição de que veículos verdes são azarados é amplamente difundida, mas a Kawasaki desafia essa crença ao pintar a maioria de suas motocicletas de verde limão.

Nesta narrativa, exploraremos a história ousada e não convencional de um fabricante de motocicletas que escolheu desafiar o destino, optando por uma cor tradicionalmente considerada azarada para se destacar no mercado. Vamos descobrir por que as motocicletas Kawasaki são conhecidas pelo distintivo verde que as define.

Cor verde: o amuleto do azar para os pilotos

Desmistificando a Cor Verde: Da Tinta Tóxica ao Asfalto Perigoso

Durante séculos, a tinta verde era fabricada com arsênico, literalmente queimando na tela. A tinta era tão perigosa (muitas vezes mortal) que alguns historiadores acreditam que foi o papel de parede verde que poderia ter matado Napoleão Bonaparte.

Com o tempo, novas tecnologias surgiram, tornando a tinta verde menos perigosa. No entanto, a cor continuou a atrair críticas de uma raça diferente de artistas: aqueles que pintavam pistas com marcas de pneus. Assim começou a superstição de que a cor verde dava azar para carros e motos.

A origem da superstição verde remonta à NASCAR, mas ao longo do tempo, essa crença espalhou-se para outras categorias e corridas, incluindo competições de motocicletas.

Embora ninguém saiba ao certo como a superstição começou – como é comum em muitas superstições – suas raízes remontam a dois acidentes ocorridos com uma diferença de uma década.

A Sombra do Verde, o nascimento da superstição Ganha Força

O primeiro acidente envolveu Lee Oldfield em seu carro verde na Feira do Estado de Nova York de 1910, em Syracuse. O acidente, que resultou na queda do veículo nas arquibancadas, tirou a vida de vários espectadores. Essa tragédia fez com que Oldfield acreditasse que a cor verde trazia azar.

Essa crença é semelhante a um motociclista que pensa que suas meias Scooby-Doo são de boa sorte porque passaram por um incidente próximo enquanto as usava.

Inicialmente, a superstição ficou limitada a Oldfield por cerca de uma década. No entanto, ela ganhou força na década de 1920.

Leia também:

Em uma corrida no Beverly Hills Speedway, uma pista ampla e conhecida por ser perigosa tanto para motoristas quanto para motociclistas, o piloto de corrida Gaston Chevrolet, irmão de Louis Chevrolet, cofundador da Chevrolet, esteve envolvido em um acidente fatal.

A pista, apelidada de “centro de assassinato” pela imprensa da época, testemunhou o Chevrolet verde colidir com outro carro na volta 146, resultando na trágica perda de três vidas: Chevrolet, Eddie O’Donnell (companheiro de corrida) e Lyall Jolls (mecânico de pilotagem).

A superstição se solidificou e continuou crescendo, atingindo seu apogeu na década de 50. No mundo automobilístico, essa superstição começou a desaparecer na década de 70, à medida que os patrocínios se tornaram mais prevalentes. Por exemplo, os pilotos de Fórmula 1 abandonaram a superstição em 1968, quando a equipe britânica teve o azar de dirigir carros verdes – as cores pintadas representavam a nacionalidade do piloto.

Carros de Fórmula 1 notáveis ​​que são verdes

  • Aston Martin DBR4
  • Jordânia 191
  • Benetton B186
  • Jaguar R5
  • Lótu 25
  • Aston Martin AMR23

Donald Davidson, historiador do Indianapolis Motor Speedway sobre a superstição verde

Em meados dos anos 60, começaram a ter pilotos de Fórmula 1 e de carros esportivos que diziam: ‘Por que toda essa bobagem verde? Não sei nada sobre isso. Acho que aos poucos foi embora.

Kawasaki tornou-se verde muito antes de ser limpa

Os motociclistas podem ser um grupo supersticioso, e costumes e superstições são comuns nas pistas e nas estradas até hoje. Você pode imaginar o caso de algumas décadas atrás. Isso incluiu Daytona, onde nenhum piloto ousaria correr com uma moto verde. Mas a Kawasaki tinha um objetivo em mente – vencer no domingo e vender na segunda-feira no mercado dos EUA – então a Kawasaki quebrou a convenção e correu na Daytona 200 de 1969 com motocicletas verdes.

Inovação na Pista: A Ascensão do Verde Kawasaki

Quando os portões se abriram, a equipe de fábrica da Kawasaki entrou com motocicletas A1RA e A7RA de um verde brilhante. Essas máquinas foram pilotadas por Ken Araoka, Art Bauman, Walt Fulton III, Cal Rayborn e Dick Hammer (sim, esse é o nome) – marcando o dia da estreia da nova e ousada pintura verde limão da Kawasaki.

Essa cor foi cuidadosamente escolhida para desafiar o status quo, e até hoje, as Kawasakis verdes continuam fazendo exatamente isso.

Mas como essa escolha de cor contribuiu para a vitória da Kawasaki nas corridas e para o sucesso de vendas nos dias seguintes? A corrida de Daytona 200 de 1969 seria transmitida pela televisão em cores – algo que pode surpreender muitos, considerando a antiguidade das TVs em cores.

Como parte de uma estratégia de marketing ousada para destacar suas motocicletas durante a transmissão, a Kawasaki optou por pintá-las em um verde brilhante. A intenção era chamar a atenção do público. Embora as motos não tenham vencido a corrida, a Kawasaki certamente conquistou a atenção do público.

Adeus superstição, olá números de vendas

O Verde Kawasaki: De Truque de Marketing a Identidade Poderosa

Quando o dinheiro fala, todos prestam atenção, e foi exatamente isso que a Kawasaki fez. Ao exibir suas motocicletas verdes na Daytona 200, a marca atraiu uma quantidade significativa de olhares. As motos eram facilmente identificáveis e destacavam-se entre os concorrentes.

Entretanto, em resposta imediata, a Kawasaki lançou a F21M Greenstreak 1969, uma scrambler de 238cc, na mesma cor. Curiosamente, o logotipo Flying K do KMC, desenhado por Nick Nichols, também fez sua estreia na corrida Daytona 200 de 1969.

Mas, à medida que os anos 70 avançavam, a cor verde tornou-se sinônimo de corrida e desempenho no mundo das motocicletas. O H2R Green Meanie da Kawasaki, um triplo em linha de dois tempos de 748cc, pilotado por Gary Nixon, conquistou o AMA Road Racing Championship de 1973. Simultaneamente, a Kawasaki Z1 estava conquistando o mundo. Entre 1978 e 1982, a cor verde da Kawasaki era uma presença constante nos pódios da GP250 e GP350.

Portanto, embora inicialmente pudesse ter sido considerado apenas um truque de marketing passageiro, o sucesso foi tão marcante que a Kawasaki abraçou o Verde Limão como sua identidade distintiva.

Ou seja, desde os anos 70, essa cor tem sido a marca registrada dos produtos Kawasaki, abrangendo motocicletas, ATVs e jet skis. Hoje, o verde representa a alma da Kawasaki – é a cor da sorte da marca japonesa.

Ironia no seu melhor: o verde é tudo menos amaldiçoado

Desafiando o Azar: Kawasaki e a Segurança do Verde Limão

Enfrentando superstições de longa data, a Kawasaki não hesitou em desafiar as convenções sobre a cor verde, muitas vezes considerada insegura.

No entanto, pode ser surpreendente descobrir que o verde, estranhamente, é uma das opções mais seguras para motocicletas. Sem entrar em detalhes técnicos, o verde é a primeira cor que nossos sensores ópticos identificam (a menos que você seja daltônico, é claro).

Pergunte a um motorista envolvido em um acidente com uma motocicleta, e a resposta é frequente: “Não vi a motocicleta”. Este é um fenômeno documentado, onde cerca de 40% dos acidentes de motocicleta ocorrem porque o motorista não percebe a presença da motocicleta.

Um fato interessante, ou talvez não tão divertido, é que carros pretos têm 10% mais chances de se envolver em acidentes em comparação com carros brancos. Cores brilhantes, como o verde limão, oferecem maior visibilidade, potencialmente reduzindo o risco de acidentes. Não acredita? Um estudo na Nova Zelândia revelou que um terço dos acidentes de motocicleta poderia ter sido evitado com o uso de equipamentos de alta visibilidade.

Desmistificando Mitos: A Verdade sobre o Verde nas Motocicletas

Ao enfrentar a afirmação de que a cor verde não é segura para motocicletas ou carros, este artigo busca dissipar esse mito persistente. Abra este artigo no seu telefone com brilho total e compartilhe com aqueles que têm dúvidas.

Acima de tudo, a verdade é que o verde nunca foi inseguro; não são as motos ou poderes sobrenaturais, mas sim o motociclista que desempenha um papel crucial na segurança. Uma evidência clara disso é a presença de equipamentos de pilotagem na cor verde neon e motociclistas veteranos optando por capacetes verdes neon em suas Gold Wings. Embora possa parecer uma escolha peculiar, a cor verde se revela como uma das opções mais seguras.

Os melhores Kawasakis verde-limão que você pode comprar hoje

  • Kawasaki ZX-10R
  • Kawasaki ZX-14R
  • Kawasaki H2SX
  • Kawasaki KX-450SR
  • Kawasaki ZX-4RR

Fontes estatísticas:

  • O Estudo de Cores de Veículos, conduzido pelo Monash University Accident Research Center (MUARC), 2007
  • Universidade da Califórnia-Berkeley e Patrulha Rodoviária da Califórnia, 2015
  • O Relatório de Ferida, 1981
  • Conspicuidade do motociclista e lesões relacionadas a acidentes: estudo de caso-controle, 2004

Continue navegando no portal The Riders e acelere com a gente! 

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades! Moto

Notícias relacionadas

Nu’Clear, a motocicleta transparente e à prova de balas

The Riders

Motos do Thor: 5 incríveis do astro dentro e fora dos filmes

The Riders

Motos e Curiosidades

The Riders