fbpx
The Riders Histories
Histórias

Honda CBR600F: A histórica de 1991 até 1992

Honda CBR600F: A histórica de 1991 até 1992

Poucas motos esportivas tiveram o impacto popular da Honda CBR600F, especialmente aquele modelo de 1991, que sucedeu à também popular CBR nascida em 1987.

Honda CBR600F 1987

A primeira CBR600F (PC19) causou grande impacto, com sua carenagem fechada chamada Aero, algo que Massimo Tamburini já havia explorado primeiro com sua Bimota DB1 e depois com a Ducati Paso 750.

O motor de quatro cilindros em linha tinha distribuição de corrente central, carburadores de 32 mm e anunciava 85 HP a 11.000 rpm (59 Nm a 8.000).

O chassi era de aço tipo diamante; O garfo, com barras de 37 mm, podia ser ajustado de pré-carga pneumaticamente, como já acontecia no VFR750F apresentado um ano antes, enquanto o amortecedor contava apenas com ajuste de pré-carga posicional e sistema de articulação Pro-Link progressivo. Pesava 201 kg totalmente carregado e 185 kg seco, um excelente valor.

Você sabia?

A versão seguinte, chamada PC23 (1989-1990) corrigiu muitos pontos fracos do primeiro CBR: a compressão foi aumentada em três décimos (até 11,3:1) e montou carburadores de maior diâmetro (32,5 mm), aumentando assim a potência. até 90 cv a 11.000 e o torque até 62 Nm a 10.500.

O amortecedor traseiro era ajustável em recuperação hidráulica. O garfo reduziu seu curso de 130 para 120 mm, enquanto os discos de freio de 276 mm com pinças Nissin de dois pistões e os pneus estreitos (2,5×17” na dianteira, 3,5×17” na traseira) foram mantidos com 110/ Pneus 70 e 130/70 em código de velocidade V e carcaças diagonais.

A grande CBR600F de 1991

Honda CBR600F 1991

Aquela que foi provavelmente a versão mais popular de todas chegou em 1991: o PC25, conhecido como F2. Um novo motor, de curso mais curto e compacto, e já com cadeia de distribuição lateral, elevou a potência oficial para 100 cv a 12.000 rpm e o torque para 64 Nm a 10.500, para movimentar os 213 kg com toda a força. uns.

Tinha um chassi semelhante ao anterior, também do tipo diamante, mas muito mais rígido. O garfo passou a ser 41/130 mm, com pré-carga de mola ajustável, e o amortecedor de 110 mm tinha ajuste de pré-carga e rebote.

Leia também:

Os aros passaram a ter 3,5” e 4,5” de largura, então os pneus, finalmente radiais, cresceram para radiais Michelin A/M 59 X medindo 120/60 x 17” e 160/60 x 17”. Este aspecto por si só significou uma grande melhoria dinâmica para a Honda.

O CBR600F de 91 e 92 (os gráficos mudaram e pouco mais em 92) foi um excelente carro esportivo, fácil e tremendamente eficiente de dirigir, que ganhou muitos campeonatos em todos os níveis, mas também venceu nas ruas, sendo o absoluto moto mais vendida em muitos mercados, também em Espanha. O CBR facilitou tudo nas curvas, mas ao mesmo tempo foi confortável o suficiente para viajar, mesmo em dupla.

1993-1994: Melhores suspensões

CBR600F 93-94

A saga continuou com o nome interno PC25, e como a base tinha se mostrado tão boa, bastaram pequenas alterações na suspensão para continuar sendo a rainha dos 600 nas ruas e nos circuitos.

Leia também:

Um reservatório externo foi incorporado ao amortecedor traseiro, e também tinha a possibilidade de ajustar a velocidade de compressão. Por seu lado, também foi adicionada ao garfo a opção de ajuste da extensão, pelo que as possibilidades de personalização na condução desportiva aumentaram significativamente.

A versão de 1999 trouxe o chassi de alumínio e o Ram Air.

Em 1995 chegou a entrada de ar forçada e em 1999 o chassi de alumínio, abandonando pela primeira vez a carenagem Aero fechada.

Em 2001 chegaria a primeira CBR600 injetável, com versão especial ‘Rossi’, que na época corria com a Honda nas 500cc com moto oficial e as cores Nastro Azzurro.

A versão Rossi 2002, com injeção.

Entre 2005 e 2007 foi fabricada a última versão da CBR600F, antes de desaparecer por um período de cinco anos e renascer como uma versão carenada do Hornet pelado.

Na verdade, o F foi substituído pelo R, muito mais radical e ainda em produção em vários países. A Honda produz atualmente a CBR650R , com motor 650, com a filosofia da 600 F, com semiguiador acima da placa, como antigamente….

Porém, nenhum deles jamais teria o carisma ou o sucesso daquele maravilhoso F2, do qual quase todos nós tivemos um…

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades!

Notícias relacionadas

12ª PARADA OBRIGATÓRIA MORRINHOS – GO

Marcelo Nunes

História da Honda CBR600F (1987-2018): Uma saga emblemática

Marcelo Nunes

MOTO PASSEIO FEMININO DE SANTA CATARINA

Marcelo Nunes

Deixe um comentário