fbpx
The Riders Histories
Histórias

Moto histórica: Ducati 750 Paso

Moto histórica: Ducati 750 Paso, a Ferrari de duas rodas

Moto histórica: A chegada do grande Massimo Tamburini ao poderoso Grupo Cagiva, então dono da Ducati, significou uma grande revolução dentro deste poderoso grupo, propriedade dos irmãos Castiglioni, e que incluía então a própria Cagiva, Ducati, Moto Morini e Husqvarna. Tamburini veio da Bimota, marca italiana de motocicletas esportivas artesanais. Tamburini se tornaria o principal designer de todo o grupo.

O prestigiado designer italiano havia criado a bela Bimota DB1 em 1985 , movida por um motor Ducati de 750 cc, e que usava uma carenagem totalmente fechada. Ao chegar na Ducati naquele mesmo ano, Tamburini continuou utilizando esse tipo de design e em 1986 criou a 750 Paso , em homenagem ao falecido piloto Renzo Pasolini.

A instrumentação era completa e sofisticada, lembrando os carros esportivos italianos.

Leia também:

O que chamou a atenção na Paso, além da estética pessoal, foi o bom acabamento e a sofisticação, muito além do que é habitual na Ducati. Em alguns meios de comunicação foi chamado de ‘A Ferrari sobre duas rodas’. Custou 1.487.000 pesetas. em 1987, quase 9.000 euros agora.

Moto histórica Um Webber de corpo duplo

O 750 utilizava motor V-twin de 90º refrigerado a ar derivado do Pantah 650, com a novidade de utilizar um único carburador Weber 44  para ambos os cilindros e fixado no meio de ambos, com o cilindro traseiro girado 180º. Na verdade, este carburador era de corpo duplo, de origem automotiva, igual ao montado pela Ferrari ou pela Lamborghini.

Com seu comportamento caprichoso, este carburador deu muitas dores de cabeça a vários usuários do Paso e alguns deles o trocaram por um par de Dell’Orto . Porém, com apenas a troca de alguns jatos, o Weber funcionou corretamente. Os escapamentos eram da marca Silentium, na cor preta, um para cada cilindro.

O chassi era um berço duplo com tubo de aço retangular, equipado com suspensões de qualidade, sendo uma traseira que montava amortecedor Öhlins e sistema Soft Damp progressivo, e um garfo dianteiro multi-ajustável Marzocchi MR1 de 42 mm (como o Bimota DB1), que incluía um sistema anti-afundamento , algo comum nos calçados esportivos mais sofisticados da época.

No Paso foram montadas duas rodas de 16” , a dianteira 130/60 e a traseira 160/60, seja Pirelli MP-7 ou Michelin A59, ambas radiais, e muito largas para o que era popular nos anos 80.

Sua carenagem fechada criou moda e foi copiada pelos japoneses, e até pela BMW com seu K1.

Desportivo e confortável

O Paso era confortável e relativamente fácil de dirigir, apesar das rodas largas e pequenas com as quais nos acostumamos. Permitiu uma condução ágil, mas sem excessos, já que o suporte friccionava com bastante facilidade

Em baixa velocidade a frente 130/60 x16” tinha uma sensação um tanto desajeitada , mas em alta velocidade a estabilidade era impecável. Com entre-eixos curto de 1.455 mm e suspensões de qualidade, era necessário um pequeno esforço inicial para entrar em uma curva, mas uma vez lá estava sobre os trilhos. Outro efeito de sua peculiar roda dianteira era uma certa tendência de se levantar durante a frenagem com a motocicleta inclinada, o que exigia entrar na curva com o trabalho feito anteriormente, o que era fácil, pois os freios eram potentes e ajustáveis.

Os 74 HP eram na verdade um pouco menos, mas muito aproveitáveis ​​devido ao bom torque.

A Família Step

O bom desempenho do 750 motivou o aparecimento do 906 , dois anos depois. O 906 já tinha consideráveis ​​88 HP e usava o mesmo carburador Weber, mas tinha refrigeração líquida.

O último Paso apareceu em 1991: foi o 907 IE , que usava injeção eletrônica, alcançando 90 cv , e finalmente rodou! Rodas de 17” em ambos os eixos.

O Paso 907 IE não alcançou o sucesso comercial que a Ducati havia planejado e durou apenas mais um ano em produção.

No entanto, o Paso deixou uma marca profunda: se por um lado e dentro do próprio Grupo Cagiva existiam um bom punhado de clones da Ducati, a estética da sua carenagem completamente fechada foi copiada por outras marcas japonesas e europeias. As populares Honda CBR600F e CBR1000F adotaram esse tipo de carenagem, assim como a Suzuki com sua GSX-F 600, 750 e posteriormente a 900. Também a estranha BMW K1 usava fibras totalmente fechadas, e a curiosa e futurista Gilera CX , entre outras contribuições (assim como o seu garfo unilateral) montava uma carenagem fechada, que os japoneses batizaram de ‘Aero’ e é assim que são conhecidos desde então.

As filhas do Passo

O design inovador da Ducati 750 Paso foi extrapolado para outras motocicletas esportivas do Grupo Cagiva, além das versões 906 e 907 ie. Certamente o Cagiva Freccia 125 foi o de maior sucesso. Com design muito semelhante ao da Ducati, a Freccia C9 contava com um potente motor monocilíndrico 2T LC que entregava 27 CV. Depois vieram o Freccia C10R e o Freccia C12R. Especialmente este último, tinha um motor de 29 CV e uma caixa de 7 velocidades, com a qual ultrapassava os 160 km/h. Mais tarde foi substituído pelo Mito 125.

Além disso, o design do Morini Dart 350 foi baseado no Paso. A Dart, originalmente na cor branca, era movida pelo veterano motor bicilíndrico de 350 cc da Morini 350 Sport de 1974, embora muito poucas unidades desta motocicleta tenham sido vendidas devido à sua mecânica obsoleta.

Ficha técnica

Motor: V90º bicilíndrico, 4T air DOHC 4V Desmodromic

Deslocamento: 748 cc

Diâmetro x Curso: 88 x 61,5 mm (x2)

Potência: 74 CV a 7.950 rpm

Torque do motor: 7,4 kgfm a 6.300 rpm

Compressão: 10,5:1

Caixa de velocidades: 5 velocidades, embraiagem seca

Tipo de transmissão: Corrente de retenção

Chassi: Berço duplo em tubo de aço retangular

Braço oscilante: braço duplo de alumínio

Garfo: Marzocchi MR1 42 mm, ajustável em pré-carga e extensão. Sistema anti-mergulho

Suspensão traseira: amortecedor Öhlins, com sistema Soft-damp progressivo, pré-carga e rebote ajustáveis

Freio dianteiro: 2 discos de 280 mm, pinças Brembo de 2 pistões

Freio traseiro: disco de 270 mm, pinça de dois pistões

Pneus: 130/60 x 16” e 160/60 x 16”

Dimensões (C x A x L): 2.032 x 1.150 x 655 mm

Altura do assento: 780 mm

Distância entre eixos: 1.455 mm

Tanque: 22 Litros

Peso seco: 190 kg

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades!

Moto histórica

Notícias relacionadas

My Big DreaM – Nossa História

Marcelo Nunes

Conhecer para respeitar

Marcelo Nunes

Colete de Moto Clube

Marcelo Nunes

Deixe um comentário