fbpx
The Riders Histories
Clássicas

Teste da Yamaha XS400: A primeira moto acessível

Testamos a Yamaha XS400, a primeira motocicleta japonesa de média cilindrada que chegou ao nosso país, escola de uma longa geração de motociclistas.

Teste a Yamaha XS400, a primeira grande motocicleta japonesa acessível que poderíamos desfrutar

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades!

Foi uma das primeiras motocicletas japonesas a entrar legalmente na Espanha , uma motocicleta de média cilindrada que foi a porta de entrada neste mundo japonês para toda uma geração de motociclistas, que finalmente puderam estacionar as motocicletas monocilíndricas nacionais.

Quando começou a ser comercializado, em 1983, Espanha e Portugal batiam insistentemente à porta da CEE (Comunidade Económica Europeia, que é hoje a União Europeia). 

Naquela época as únicas motocicletas similares importadas para o nosso país eram a Benelli 354 T, que custava quase a metade do novo Yamaha XS. A Moto Guzzi V35 Imola, a Moto Morini 350 ou a MV Agusta 350, também presentes, eram motocicletas minoritárias. Dos japoneses, nenhum vestígio.

Não é fácil encontrar uma unidade de teste da Yamaha XS400, pois restam muito poucas em circulação

Tocava na rádio o instrumental Zarzuela de Luis Cobos , que foi o álbum mais vendido na Espanha antes de “Thiller” de Michael Jackson (1984) ser no ano seguinte. Tootsie, de Sydney Pollack, estrelado por Dustin Hoffman, foi o filme de maior bilheteria. “Golden Rings”, série estrelada por Ana Diosado e Imanol Airas, foi a mais vista. Um anúncio da Telefónica foi o melhor anúncio de TV. O Renault 9 foi o carro mais vendido em Espanha. Foi o ano da expropriação de Rumasa, mesmo ano em que José Luis Garci ganhou um Oscar com “Começar de Novo”. E motocicletas japonesas, nada.

Leia também:

Até que em fevereiro de 1982 a Yamaha foi apresentada em Barcelona com o anúncio da importação de quatro modelos : Yamaha XS 1100 S, XV 750 E, XJ 650, SR 250 SE e o Sanglas S 400 Y com motor Yamaha. Todos eles começaram a ser comercializados na primavera de 1983 e nesse mesmo ano chegou o tão aguardado XS400.

Não é preciso lembrar ou insistir que naquela época nos alimentávamos basicamente com motocicletas da indústria nacional (Montesa Crono 350, Derbi 250 T, Bultaco Metralla 250 GTS, Ossa 250 T…) e que isso estava começando seu declínio . As motocicletas italianas ou inglesas, além das BMWs, estavam à disposição de qualquer pessoa que pudesse comprá-las. Ou seja, de alguns…

Quando foi lançado em 1983, foi um grande sucesso; o primeiro peso médio japonês em nosso país

As primeiras unidades do XS400 da Yamaha chegaram diretamente do Japão em 1983 e nas cores bordô ou azul. Posteriormente chegaram ao regime CKD, ou seja, um sistema pelo qual os diferentes componentes eram concentrados num armazém e montados, neste caso, nas antigas instalações da Sanglas.

Nessa primeira remessa chegaram apenas 1.500 unidades e custaram 500 mil pesetas, uma motocicleta que na França foi vendida por 272 mil pesetas. A unidade desta reportagem, de propriedade de Raúl Alba, é da série mais recente, a mais moderna. Este modelo esteve à venda até 1988. O aparelho desta reportagem é um dos últimos a chegar na cor branca (também eram servidos na cor cinza). Eles deixaram de ser fabricados em 1988.

Feito no Japão

Numa altura em que ainda estávamos fora da Comunidade Económica Europeia, o Japão da Yamaha” com que sonhávamos através das revistas francesas.

Uma motocicleta simples, mas com um motor bicilíndrico raivoso , um verdadeiro reflexo das japonesas dos anos 80: bom motor e chassi no mínimo questionável. O pequeno bicilíndrico refrigerado a ar, com duplo comando de válvulas e duas válvulas por cilindro, contava com o engenhoso sistema chamado YICS (Yamaha Induction Control System), que atuava e otimizava os gases frescos na admissão. Com dois carburadores Mikuni de 34 mm, montou um sistema antivibração no virabrequim. O seu toque era tão requintado quanto desconhecido para nós e acima das 6.000 rpm realçava o seu carácter…

Ao nível da parte do chassis, o chassis era constituído por uma combinação de chapa trefilada e tubos, com ponto de ancoragem no próprio motor (na cabeça do cilindro). O sistema de suspensão tipo Cantilever incluía um amortecedor de carbono de 55 mm com pré-carga de mola ajustável e o garfo, muito macio e sem possibilidades de ajuste, era bastante básico.

Mas naquela época, mesmo as motocicletas japonesas consideradas evoluídas tinham um design muito simples. Outro exemplo é o único disco de freio dianteiro de pequeno diâmetro com pinça de pistão único. Na traseira você tem que se contentar com um freio a tambor. As jantes de liga leve, um sucesso que combinava esteticamente com uma moto simples, com um motor excitante e que, antes de chegar a Espanha, era muito comum entre os entregadores londrinos…

No teste da Yamaha XS400 notamos que seu motor precisa girar acima de 6.000 rotações

Com o seu farol rectangular, grande depósito de combustível, guiador e traseira ligeiramente levantados , em combinação com os cilindros pretos acetinados e atraentes silenciadores cromados altos, a verdade é que esta XS é uma moto marcante. Entre o moderno e o agressivo, com a estética das primeiras superbikes japonesas no horizonte.
E não deixa de ser curioso que o XS tenha sido protagonista de uma taça promocional em Espanha. Que era uma versão do Criterium Solo Moto: Yamaha XS 400 Cup. Vê-los subir a curva de Sant Jordi no circuito de Montjuic, serpenteando descontroladamente, não é algo que se esqueça facilmente. Escusado será dizer que nem suspensões nem geometrias foram estudadas para colocar o XS na pista, mas…

Além desta anedótica copa promocional, a XS era uma motocicleta bastante popular com a qual muitos descobriram as motocicletas japonesas e seu uso era basicamente no dia a dia e entre curvas nos finais de semana. Não faltaram detalhes práticos como alças para o passageiro ou um banco rebatível em que o espaço da cauda servia para guardar pequenos objetos.

A Yamaha XS400 é uma motocicleta com personalidade

Agora pronto para testar a Yamaha É curioso como o retorno do pisca não é por pulsação, mas tem que ser feito manualmente…
O motor vibra pouco e se você ligar ele tem um ronco que parece indicar que ele tem um caráter agressivo apesar de seus “apenas” 45 HP de potência.
A posição de dirigir é determinada pelo volume do tanque e pela altura do guidão, com uma altura razoável dos pedais que deixam as pernas bem encaixadas nas ranhuras do tanque.

Em baixa velocidade, com uma primeira relação muito curta, é agradável e possui um ângulo de viragem generoso, apreciado para a condução entre carros. Na estrada é confortável. Sempre gostei particularmente do guiador ligeiramente levantado. É verdade que aerodinamicamente não é o ideal, mas é igualmente verdade que em mudanças de direção e estradas sinuosas, o XS conduz sem esforço e, em geral, tem uma boa sensação. As suspensões são um pouco apertadas e enquanto na frente o garfo é macio e pode ser facilmente parado, o Cantilever traseiro funciona bem e me deu uma boa sensação nas curvas de Montseny.

No teste da Yamaha XS400 lembramos imediatamente do seu ponto fraco, a travagem

Sim, é verdade, algo inevitável se falamos de uma moto desta época, que a travagem é claramente muito justa, por isso é aconselhável levar tempo e distância antes de entrar nas curvas… Abaixo das 3.000 rpm há pouco alegria, mas a partir daí e principalmente quando chegar a 6.000 rpm, o pequeno
Enfim, uma motocicleta que de certa forma foi pioneira entre os japoneses que chegaram à Espanha com a qual muitos tiveram a oportunidade de descobrir sensações até então desconhecidas neste país.

Proprietário: Raúl Alba

Apaixonado por motos clássicas dos anos 80 e 90, possui um interessante acervo e dedica tempo e paixão à dinâmica associação Motoclásicas 80 https://www.motosclasicas80.com/, especializada em motos, especialmente japonesas, dos anos 70, 80 e Anos 90. Com o intuito de reviver sonhos que em outros tempos não poderiam ser realizados, organizam passeios e encontros para curtir as motos que os apaixonam. Nascido em Barcelona (1977), trabalhou na Montesa Honda, na Yamaha como gerente de vendas de uma concessionária da marca e atualmente é diretor comercial da Benelli Espanha.

Leia também:


Como esse Yamaha XS foi parar na sua coleção?
Eu tenho isso há cerca de dois anos. Comprei através de um contato em Madrid. Seu dono não o usou. O problema dessas motos é que elas não podem ser utilizadas por questão de etiqueta ambiental, mas moro em uma cidade e como uso minhas motos esporadicamente não é problema para mim.
Estava em boas condições?
Sim, original. Além da estética, neste tipo de moto a segurança é importante e por isso verifiquei os travões, pneus novos e depois ao nível do motor, filtros, velas, óleo, limpeza do carburador e kit de transmissão. Normal para este tipo de motocicleta. Estofei novamente o assento e pouco mais.
Quantos quilômetros ele tinha?
Tinha 31.000 km e agora marca 33.000 km, mas este número é um pouco impreciso porque antes tinham menos quilómetros do que realmente tinham…
Problemas?
Não, mal. Em termos de desempenho, essas motos eram justas em termos de freios e suspensão, mas por outro lado eram muito confiáveis. Motores com poucos graves que devem ser acelerados.

Ficha técnica

Motor :2 cil. em linha, ar, 4V, DOHC
Deslocamento:399 cc
Força maxima:45 CV a 9.500 rpm
Torque máximo:36 Nm às 8.000 rpm
Alimentando:Carburadores Mikuni BS34
Mudar:6 velocidades
Embreagem:Multidisco em banho de óleo
Transmissão:Por corrente selada
Chassis:Lombada central em chapa estampada e tubo de aço
Suspensão dianteira:Garfo hidráulico 138 mm
Suspensão traseira:Monoamortecedor cantilever 96,5 mm
Freio dianteiro:Disco de 260 mm com pinça de pistão duplo
Freio traseiro:Tambor de 200 mm
Pneus:3,00 x 18” e 4,10 x 18”
Distância entre eles:1.375 mm
Altura do assento:770 mm
Depósito de gasolina:20l
Peso seco:187kg

Acesse nossas sessões Riders CustomRiders Speed, Riders TrailRiders ElétricaRiders Cross e fique ligado nas novidades!

Notícias relacionadas

Kawasaki ZX-10 Tomcat: Um verdadeiro míssil

Marcelo Nunes

Honda CX500 ‘Scrambler’ by Warkot: Um tributo aos anos oitenta

Marcelo Nunes

AVENTURA: COMO NOS VELHOS TEMPOS

Marcelo Nunes

Deixe um comentário